Revolta

Internautas cobram posicionamento de marcas parceiras de Bruno Krupp após atropelar e matar adolescente

Influenciador está preso e internautas querem rompimento de parcerias

Cíntia Lima
Colunista do EM OFF

Bruno Krupp está preso e é acusado de homicídio doloso (quando há intenção de matar), após atropelar e matar João Gabriel de 16 anos, que atravessava a rua na faixa de pedestres ao lado de sua mãe, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Diante desta tragédia evitável, já que Bruno dirigia sem habilitação, com moto sem placa e de forma imprudente, internautas cobram posicionamento de marcas parceiras que ainda constam na página oficial do modelo.

Na página oficial de Bruno Krupp no Instagram, que está fechada após o crime, constam três empresas que trabalham com ele. Uma agência de modelos, uma agência de direcionamento artístico para influenciadores e um restaurante de comida japonesa.

Nos comentários dos posts dessas três empresas, é possível ver vários internautas cobrando posicionamento sobre o acidente que envolve o influenciador. De forma enfática e muito firme, os internautas pedem que este vínculo com Bruno seja cortado.

“Vão continuar assessorando um assassino”? Outro internauta questiona: “O silêncio de vocês é ensurdecedor”. As críticas não param. “Bruno matou um adolescente de 16 anos”. “Cadê o pronunciamento? Vão falar do Bruno ter matado um garoto”?

O acidente aconteceu no último final de semana, por volta das 23horas do sábado (30). O jovem de 16 anos morreu ao ter sua perna amputada no momento da batida. Bruno Krupp chegou a ficar hospitalizado.

A justiça expediu um mandado de prisão, e ele foi detido na manhã desta quarta-feira (03). A decisão partiu da juíza Maria Isabel Pena, que afirmou que a liberdade do rapaz comprometeria a ordem pública, pois ele poderia cometer crimes da mesma natureza já que três dias antes do acidente, Krupp foi parado em uma blitz da Lei Seca, com o mesmo veículo, e multado pela falta de CNH.