Fechar

EXCLUSIVO Ex-assistente de Marcos Mion é internada após procedimento clandestino

Modelo e influencer Lygia Fazio retirou 3 kg de silicone industrial das nádegas após sofrer complicações de saúde

Erlan BastosColunista do EM OFF

A jornalista, modelo e influenciadora Lygia Fazio, que já atuou como assistente de palco em diversas atrações da televisão brasileira, vive um verdadeiro drama. A loira está internada há mais de três meses em um hospital de São Paulo por complicações decorrentes da aplicação de silicone industrial nas nádegas em uma clínica clandestina. “Quase morri“, desabafou a influenciadora.

Lygia Fazio tem comentado abertamente sobre o problema em suas redes sociais, mas falou exclusivamente à coluna Erlan Bastos EM OFF sobre os meses de terror que vem enfrentando. De acordo com a famosa, o procedimento de aplicação do silicone industrial e do PMMA (polimetilmetacrilato) foi feito em 2016 com o objetivo de aumentar o tamanho do seu bumbum, no entanto, a cirurgia feita de modo clandestino não deu certo.

Há aproximadamente quatro meses, Lygia percebeu que algo não estava correto e que suas nádegas apresentavam sinais pretos e estavam inflamadas. Ela foi hospitalizada com urgência devido à gravidade do problema que poderia, inclusive, leva-la à morte. Ela passou por uma cirurgia e retirou 3kg de silicone industrial do local. Ela sofreu trombose e embolia pulmonar devido ao material aplicado de forma irregular no corpo.

Recentemente, a ex-assistente de palco, que atuou no Legendários, programa de Marcos Mion na Record TV, e já trabalhou com apresentadores como Gilberto Barros, Ratinho e Celso Portiolli, passou por um segundo procedimento. “Fiz a segunda cirurgia porque a primeira necrosou as partes onde eu tinha colocado silicone industrial, ficou um buraco nas duas laterais, ficou horrível“, disse a modelo à coluna Erlan Bastos EM OFF.

Continua após a publicidade

Fiz a cirurgia há sete dias, ele [médico] conseguiu fechar [os buracos], eu estou fazendo vários tratamentos, tô usando equipamentos, curativo à vácuo, dreno, meia antitrombose, dieta…”, revelou a loira, que disse ainda fazer uso de diversos medicamentos terapêuticos. “Estou há três meses e dez dias internada. Não dá, a pessoa fica louca, ficar quase quatro meses num quarto“.

Problemas de saúde

Ela também fala abertamente sobre o que tem enfrentado nas suas redes sociais. “Era feliz e não sabia! Por influências fui cair no poço sem fim, colocando cada vez mais produtos no bumbum“, disse em uma publicação. “PMMA e silicone no bumbum deixou meu organismo todo zuado. Tive que tirar com duas cirurgias na urgência. Estou aqui alertando“, escreveu em uma postagem.

De acordo com a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), o PMMA (polimetilmetacrilato) não é recomendado para fins estéticos. Segundo a entidade, quando usado em grandes quantidades, o PMMA não é seguro, tem resultados imprevisíveis a longo prazo e pode causar reações incuráveis, como inflamações, nódulos, necrose e até a morte.

O silicone industrial é tão perigoso quanto o PMMA. O IPESSP (Instituto de Pesquisa e Educação em Saúde de São Paulo), o silicone industrial, se injetado no organismo pode gerar diversas anomalias, seja na hora da aplicação ou com o passar dos anos, como deformações, dores, dificuldades para caminhar, infecção generalizada, embolia pulmonar e, até mesmo, a morte.

Foi o que aconteceu com Lygia Fazio. Ela explicou que não sentia dor, mas percebeu inflamações e deformações no bumbum. “Esses três meses internadas estou tendo muitas complicações e aprendendo muito com a vida. Tenho fé que agora não é minha hora“. A modelo e influenciadora vai seguir internada até que esteja completamente recuperada e possa voltar para casa. (Colaborou Danilo Reenlsober)