ExclusivoAna Hickmann é processada e acusada de ser omissa com sua rede de franquias

Empresária adquiriu uma das franquias da apresentadora e alega não ter recebido o suporte necessário para tocar seu negócio

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Uma empresária briga na Justiça com Ana Hickmann e o marido da apresentadora, Alexandre Correa, por uma rescisão contratual, após adquirir a franquia do Instituto Ana Hickman e não receber o devido suporte para dar prosseguimento seu negócio. Ela diz que a omissão por parte da franqueadora acabou acarretando enormes prejuízos ao seu trabalho.

Hanae Takahama Shulenburg alega ter assinado um contrato para ter o direito exclusivo de uso da marca comercial do Instituto, a fim de explorar os serviços e produtos oferecidos, mas teve que atuar sozinha para o sucesso do empreendimento, investindo seus escassos recursos, após não ter tido a assistência necessária por parte dos representantes da rede de franquias.

Além disso, ela diz que havia sido feita uma promessa de sucesso entre a parceria celebrada, entretanto, o retorno financeiro foi extremamente baixo, atingindo o marco de meros R$ 3.123,83. Hanae diz ter procurado o Instituto Ana Hickmann por inúmeras vezes para obter ajuda com a condução dos negócios da franquia, mas sem sucesso. Ela afirma ter acumulado uma série de prejuízos com a postura relapsa e ausente de Ana Hickmann e seu Instituto em ajudá-la com o sucesso na franquia.

Hanae sustenta que a franquia do Instituto Ana Hickmann que ela abriu só fracassou porque foram prestadas informações falsas por parte da franqueadora, caracterizando a quebra de uma das principais cláusulas contratuais, ou seja, a de uma postura condizente com a boa-fé. A empresária afirma ainda que as representantes do Instituto da apresentadora se preocupam apenas em captar novos franqueados, mas depois que a captação é bem sucedida, agem de forma extremamente imprudente e omissa, abandonando os novos franqueados e deixando-os à mercê da própria sorte.

Ela então entrou com um pedido de indenização por danos materiais no valor de R$ 167 mil, bem como os danos morais pertinentes, tendo em vista que suportou um enorme desgaste físico e emocional por conta de todo o ocorrido. Hanae citou as inúmeras as tentativas de resolver o imbróglio de forma pacífica e amigável, mas sem sucesso em nenhuma delas. Ela ressalta ainda o fato de ter investido todos os recursos financeiros que possuía no negócio em questão.

A assessoria de imprensa do Instituto Ana Hickmann se manifestou sobre o assunto através de um comuniado:

A franqueadora responsável pela marca Instituto Ana Hickmann esclarece que o processo em questão não reflete a realidade do ocorrido, e que nunca prestou informações falsas ou desamparou seus franqueados.A marca, fundada em 2018, sempre prestou todo o suporte e treinamentos necessários aos seus franqueados. O sucesso desse trabalho levou a rede a alcançar mais de 60 franquias em pouco mais de três anos, sem nenhum fechamento de unidade (inclusive na pandemia) até então.A franqueadora informa que, assim como faz com seus outros franqueados, prestou todo o suporte necessário à franqueada – tendo isso registrado – e que tentou ajudá-la de todas as formas possíveis de acordo com o contrato assinado. A franqueadora preza pela qualidade dos serviços oferecidos pelas suas franquias, por isso, após inúmeras tentativas para resolver este impasse, sem sucesso, recentemente entrou com um processo contra a franqueada em questão pelo descumprimento dos procedimentos padrões estabelecidos pela rede, dando suporte, inclusive, para ex-alunos da franquia referida, insatisfeitos com o serviço prestado pela franqueada.Por conta disso, a franqueadora informa que irá tomar todas as medidas possíveis para reverter essa situação, que tem o objetivo de ferir a imagem de uma marca já consagrada no mercado”.