Fechar
na justiça!

Antônia Fontenelle vira ré por crime de preconceito

Apresentadora fez comentários xenofóbicos contra o DJ Ivis

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Antônia Fontenelle virou ré pelo crime de preconceito, após fazer comentários xenofóbicos contra o DJ Ivis. Na ocasião, a apresentadora se posicionava sobre as agressões sofridas pela ex-esposa do artista, Pâmella Holanda, quando disse a seguinte frase: “Esses paraíbas fazem um pouquinho de sucesso e acham que podem tudo”.

De acordo com a decisão da Justiça da Paraíba, foi dado um prazo de 10 dias para Antônia Fontenelle prestar os primeiros esclarecimentos sobre o caso. Esse período é contado a partir da data de recebimento do processo pela acusada. Ainda conforme a decisão, foi concedido à defesa da youtuber, o direito de arguir preliminares e alegar tudo o que interesse à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo sua intimação quando necessário. As informações são do ‘Portal G1’.

A atriz foi indiciada há oito meses pelo delegado Marcelo Antas Falcone, da Delegacia Especializada de Crimes Homofóbicos de João Pessoa, na Lei do Racismo. A mesma prevê pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa para o crime de preconceito ou discriminação. A partir de agora, o processo contra Antônia Fontenelle deixa de ser um inquérito e se torna uma ação penal.

Na época da fala preconceituosa, diversos artistas criticaram Antônia, entre eles, a campeã do ‘BBB 21’, Juliette Freire. No Twitter, ela escreveu: “Não é força de expressão, é xenofobia. Não existe ‘ser paraíba’ e ‘fazer paraibada’. Existe ser paraibano, o que sou com muito orgulho. Tire seu preconceito do caminho, que vamos passar com a nossa cultura e não vamos tolerar atitudes machistas e xenofóbicas de lugar algum”.

Continua após a publicidade

Após ver as várias críticas que recebeu, Fontenelle voltou a falar sobre o assunto e tentou se explicar. “Esse bando de desocupado aí da máfia digital que não tem nada o que fazer. Se juntaram pra agora me acusar de xenofobia. De novo? Num cola! Já tentaram me acusar de xenofobia”, disse ela, que completou:

“Eu falei ‘esses paraíbas quando começam a ganhar um pouquinho de dinheiro, acham que podem tudo’. ‘Paraíba’ eu me refiro a quem faz ‘paraibada’, pode ser ele sulista, pode ser ele nordestino, pode ser ele o que for. Se fizer ‘paraibada’, é uma força de expressão”, falou.

Ainda segundo informações do ‘Portal G1’, durante o interrogatório, Antônia Fontenelle também deu essa versão. Ela informou que usou as expressões para se referir ao DJ, mas não pretendia atingir a população da Paraíba ou qualquer nordestino. A youtuber chegou a ajuizar um habeas corpus com o objetivo de impedir a realização das investigações. No entanto, a liminar pedida pelo advogado foi negada pela Justiça.