pronunciamento

Após novos episódios de ‘Pacto Brutal’, Guilherme de Pádua toma decisão inesperada

Assassino confesso de Daniella Perez decidiu recuar

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Nesta quinta-feira (28), Guilherme de Pádua se pronunciou, mais uma vez, após o lançamento dos últimos episódios da série documental ‘Pacto Brutal’, que aborda detalhes do assassinato da atriz Daniella Perez, em 28 de dezembro de 1992. Pádua e sua então mulher, Paula Thomaz, foram condenados a quase 20 anos de prisão por ter matado a filha de Gloria Perez.

Em seu pronunciamento, o ex-ator e atual pastor de uma Igreja Batista, em Belo Horizonte, surpreendeu o público ao tomar a decisão de se abster de comentar os novos episódios e recuar. Ele disse que, seguindo uma orientação pastoral, decidiu não tocar mais neste assunto.

“Por causa da orientação do meu pastor, estou me ausentando, parando esse assunto. Eu creio que a fé que carrego vai me ajudar a melhorar como pessoa por dentro e até fazer alguma coisa por outros. Vou continuar nessa fé, não vou largar o caminho que estou seguindo”, disse ele.

Pádua ainda revelou detalhe da conversa que teve com seu pastor. “Ontem, conversando com o pastor que me orienta há mais ou menos 22 anos, ele me disse: ‘filho, vá como ovelha muda ao matadouro’, em alusão a uma passagem bíblica. E eu disse ‘pastor, mas estão falando absurdos, alguma coisa eu tenho que fazer’. E ele me disse: ‘não adianta, filho. Você nunca vai fazer quem torce para um time torcer para o outro. Você não vai conseguir mudar isso'”, contou.

O ex-ator ainda comentou sobre o peso que é acordar todos os dias sendo o Guilherme de Pádua. “Hoje, se eu não tiver a fé, eu não consigo prosseguir. Todos os dias quando eu acordo eu me lembro que sou o Guilherme de Pádua, que tenho essa carga nas minhas costas, e toda manhã é uma luta”, lembrou.

O crime

Quando matou Daniella Perez, Guilherme de Pádua era colega de elenco da atriz na novela ‘De Corpo e Alma’, trama em que ele dava vida ao personagem Bira. Pádua emboscou a atriz em um posto de gasolina e, com a ajuda de Paula Thomaz, matou a intérprete de Yasmin, com quem fazia par romântico, com diversas punhaladas no coração e no pescoço. Depois, abandonou o corpo da vítima em um matagal ermo na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O documentário

‘Pacto Brutal’ revelou detalhes da investigação que resultou na condenação de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz. A versão apresentada na série documental foi a mesma sustentada pelo promotor de acusação que conseguiu a condenação de Guilherme a 19 anos de prisão e de Paula a 18 anos.

A produção conta ainda com depoimento de diversos famosos que acompanharam o desenrolar das investigações de perto e de testemunhas do caso. Na versão acatada pelo júri, a motivação para o crime, no caso dele, foi vingança da autora da trama, mãe da vítima, por conta de seu personagem, que estava perdendo espaço no folhetim. E no caso dela, ciúmes do marido, visto que Daniella fazia par romântico com Pádua na novela.

Os assassinos

Os dois saíram da cadeia para cumprir o regime semi-aberto com menos de 7 anos presos. Atualmente ele mora e Belo Horizonte com sua atual mulher, onde trabalha e atua como pastor. Ela, por sua vez, se casou novamente, se formou em direito na mesma faculdade de Daniella Perez. Também se casou novamente e teve outros filhos, além do primogênito, fruto do casamento com Pádua.