Fechar
Que triste!

Astro é acusado de odiar judeus

O ator Joshua Malina pede o cancelamento do colega de profissão e ainda questiona a ‘cultura do cancelamento’ em Hollywood

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Uma bomba caiu no mundo do cinema mundial. O ator Joshua Malina, que trabalhou em filmes como ‘Scandal’, ‘The West Wing’ e ‘The Big Bang Theory‘, publicou um artigo em uma revista americana pedindo o cancelamento de Mel Gibson. Ele acusou o astro de odiar judeus e questionou os posicionamentos de grandes produtoras, diretores e atores de Holywood sobre trabalhar com artistas preconceituosos.

“Gibson é um conhecido odiador de judeus (antissemita é muito suave). Seus preconceitos são bem documentados. Então, minha pergunta é, o que uma pessoa tem que fazer esses dias para terminar na lista de exclusão de Hollywood?”, escreveu, no início do artigo. 

Malina ainda revelou que não trabalharia com Gibson por nada neste mundo. “Quebra meu coração refletir sobre quantos judeus devem ter feito parte do processo que levou ao anúncio da Warner Bros”, continua, referindo-se ao estúdio responsável por Máquina Mortífera 5.

Malina afirmou que Gibson, além de antissemita, já deu declarações misóginas. Ele finalizou o texto dizendo não temer as consequências de suas críticas. “Escrevo isto sabendo que é mais provável que a Warner Bros. boicote o Joshua Malina do que Mel Gibson. Mas se for esse o resultado, que seja. Tive uma boa carreira. Seria ótimo se executivos, produtores e atores de alto nível também assumissem uma posição. Então eu poderia acreditar nessa cultura de cancelamento sobre a qual tanto leio. E eu também poderia acreditar que os judeus, de fato, contam”, completou.

Continua após a publicidade

Quando ‘A Paixão de Cristo’ foi lançado nos cinemas, em 2004, Mel Gibson acabou sendo acusado de antissemitismo. Na época, a comunidade judaica questionou uma fala do filme que sugere que o povo judeu carrega a culpa coletiva pela morte de Jesus. Eles também criticaram a representação física do povo e a classificaram como ‘estereótipos preconceituosos’.