abriu o jogo

Caio Castro diz ter se libertado da masculinidade tóxica: ‘tenho minhas fragilidades’

Ator se considera um homem livre e que não precisa mais esconder o choro

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Caio Castro abriu o jogo sobre como seu amadurecimento pessoal o fez desconstruir a masculinidade tóxica. O ator se considera um homem ‘livre’ hoje em dia, que não esconde mais o choro e ainda fala sobre assuntos que envolvem as relações sexuais e são considerados tabu, como a disfunção erétil.

“É óbvio que a gente entra mais nessa questão com um amigo ou com a gente mesmo, mas tem um grupo, uma parcela de meninas que não ajuda, que faz questão de (cobrar)… ‘E aí, meu?’, Nossa! É sério mesmo? Dá vontade de falar: ‘Quantos anos você tem?'”, disse o ator ao ‘Sua Brother’ podcast.

Caio, que hoje vive um relacionamento com a bailarina Daiane de Paula ainda relembrou o período de curtição de sua vida como solteiro, quando não queria algo sério com ninguém. “Talvez hoje não (me interesse apenas pela aparência), com 30 e poucos anos. Mas é óbvio, já fui muito novo, já quis experimentar várias coisas. Saía com mulheres, não estava muito preocupado e elas também não. Todo mundo nessa fase mais jovem passa por isso. É normal, tá ligado? Ah, foi só sexo? Tudo certo. Não tem nada de errado nisso”, afirmou.

O ator também comentou sobre ter finalmente se libertado da masculinidade tóxica.“Eu sentia vergonha, às vezes, de me emocionar com alguma coisa, segurava choro em coisas simples: filme… Eu não tenho que ser durão, tenho que ser humano, tenho que tentar corrigir essas coisas que fazem mal para mim. Tenho minhas fragilidades, tenho minhas inseguranças em alguns lugares, tenho vontade de chorar por coisa que triste, sim, e tenho vontade de chorar por outras coisas que são felizes (…) hoje sou um cara muito livre. É transformador”, assumiu ele.