novo projeto

Com muito funk, Jonjon vai lançar ‘OnlyPix’

Faixa estará disponível nas plataformas de música no próximo dia 12

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

O funkeiro Jonathan Costa, agora mais conhecido com JonJon, vai lançar sua nova música de trabalho, ‘Only Pix’, no dia 12 de julho. Ele está empolgado com o novo projeto e contou que o single exalta o
empoderamento feminino e a igualdade entre homens e mulheres – onde os dois podem ser o que quiserem.

“Um beat envolvente que tem como trama o cotidiano… Você primeiro acha que tá no controle da parada e depois entende que estava sendo controlado! Famoso golpe do golpe. Juntei em uma música duas coisas que não saem da boca do povo: Only Fans e PIX. O hype de antigamente das revistas adultas como Playboy, entre outras, se transformou em um business em que cada um pode ser dono da sua própria ‘revista’ e a brincadeira da música gira em torno disso. Vem comigo nesse som, Bianca, umas das MCs dessa nova geração e nós fizemos um match perfeito pra contar essa história”, disse JonJon.

O cantor afirmou que a sua maior expectativa é que as pessoas possam enxergar esse novo momento mais maduro de sua carreira e produção, e se divirtam com a brincadeira de ‘Only Pix’. “Venho me aperfeiçoando e aprendendo cada dia mais, já que tem muitas músicas que lancei no passado e eu não consigo nem escutar mais”, brincou.

JonJon é filho de Rômulo Costa, dono da Furacão 2000, e da vereadora e ex-cantora, Verônica Costa, a Mãe Loira. A produtora Furacão 2000 popularizou o baile funk em todo o Brasil e lançou grandes nomes do gênero, como os grupos Gaiola das Popozudas e Os Hawainos, sucessos da época. Em 2001, o funk do Bonde Do Tigrão conquistou o país e alcançou seu primeiro disco de platina pela Pró-Música Brasil.

“A Furacão foi a precursora né?! E hoje o funk é um dos maiores produtos de exportação do Brasil. Sem dúvidas é um enorme progresso da valorização da nossa cultura no plano mundial. Hoje é comum vermos artistas internacionais querendo fazer funk, conhecer mais sobre nossas produções e sobre o nosso universo. Além de movimentar a economia, já que as empresas de funk hoje têm crescido cada vez mais, garantindo emprego e oportunidade para muitos jovens sem perspectiva, e ainda gerando uma conexão entre o asfalto e a favela”, disse o cantor.

E completou: “Quanto à minha família, fico feliz com tudo que contribuímos e fizemos pelo movimento funk. Sem dúvidas, a Furacão ajudou o funk a atingir um outro patamar. Lembro que na época (apesar de ter 28 anos, eu nasci e cresci nesse mundo) era impossível ter funk na TV e, pra isso acontecer, meus pais ficaram anos na luta pagando horários em emissoras de TV e rádio para podermos tocar nossa música. Sou muito feliz em acompanhar o amadurecimento do funk tanto cultural como empresarialmente”.