Fechar
coletiva de imprensa

Coma de Paulinha Abelha é profundo e toxina no corpo da cantora intriga médicos

Substância desconhecida que circula no organismo da cantora vem causando série de inflamações. Médicos estão investigando o que pode ser

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (22), a junta médica do Hospital Primavera, em Sergipe, que cuida de Paulinha Abelha, vocalista do Calcinha Preta, contou que a cantora está em um coma profundo na escala 3 de Glasgow, a mais baixa e mais difícil de reverter. Apesar da gravidade do quadro neurológico, os médicos descartaram morte cerebral da cantora.

“Ela está em coma profundo, mas em nenhum momento falamos de morte encefálica. Ela está coma e não morta, isso é uma condição potencialmente reversível. O prognóstico, como ela vai conseguir estabilizar essa parte neurológica, vamos ter que analisar”, explicou o neurologista Marcos Aurélio Alves.

“Existe um coma profundo, que traduz uma injuria encefálica severa, mas ainda não existe um conceito de reversibilidade. A gente está trabalhando pra ver se reverte esse processo. Tentando melhorar a condição clínica dela, controlando a disfunção de múltiplos órgãos e sistemas, que ela desenvolveu, pelo menos no rim e no fígado. Utilizando drogas anti-inflamatórias em doses elevadas, no sentido de como suprimir e proteger o sistema nervoso e ver o que a gente pode fazer mais”, completa o neuro.

Segundo os médicos, uma toxina ainda desconhecida tem causado uma série de inflamações no corpo de Paulinha Abelha, que começou nos rins e no fígado, e depois atingiu o cérebro. Eles citam um quadro de Síndrome Tóxico Metabólica.

Continua após a publicidade

“Quando fala em Síndrome Tóxico Metabólica quer dizer que algo está circulando no corpo do paciente, que deve estar gerando uma cascata de inflamação ou de lesões desses órgãos, a ponto de deixa-los em disfunção”, explicou o médico Ricardo Leite.

Ele também disseram que os exames realizados não mostraram qualquer lesão anterior que pudesse ter ligação com substâncias usadas no segmento da estética, como remédios para emagrecer ou diuréticos. “Ela tomava algumas formulações, mas era em caráter supervisionado [por um médico].”

Na coletiva foi descartada a possibilidade de bactéria no cérebro de Paulinha. “Ela não tem nenhuma bactéria, isso é fake. Ela tem uma encefalopatia severa, que é um dano real, tem um dano hepático e por último um dano cerebral”, disse o médico Ricardo Leite.

Por fim, quando questionados sobre possíveis sequelas, os médicos disseram não estar pensando nisso neste primeiro momento, pois a prioridade é manter a cantora viva.

“Esse é o nosso interesse e não está sendo uma missão fácil, então, não me sinto confortável de falar sobre sequelas. Nosso compromisso é dar suporte pra que ela passe dessa fase aguda, recupere função renal e hepática, e recupere a parte neurológica”, afirmou o intensivista André Luiz Veiga.

Tags Relacionadas: