Fechar

EXCLUSIVO Eduardo Leite faz a linha ‘povão’, mas se isola em camarote na Sapucaí

Político correu para se acomodar em espaço restrito de camarote do grupo Globo

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Na primeira noite de desfiles do Grupo Especial das escolas de samba do Rio de Janeiro, muitos famosos deram close pelos camarotes e arredores da Marquês de Sapucaí. Entre eles, o ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. O político foi visto em um camarote do grupo Globo.

Embora costume fazer a linha ‘povão’, Leite já chegou logo se isolando em uma frisa exclusiva do espaço vip, que tem a entrada extremamente restrita. O local é liberado apenas de amigos do presidente da editora Globo, além de alguns políticos e celebridades do primeiro escalão da fama.

Eduardo Leite optou por ficar boa parte do tempo no espaço ‘vip do vip’, para que ninguém tivesse acesso a ele. O político estava na companhia do namorado, o médico Thalis Bolzan. Nas redes sociais, o casal posou para fotos e legendou: “Assistindo um dos maiores espetáculos da Terra”.

Após o político assumir seu namoro com Thalis, o casal passou a ser extremamente atacado nas redes sociais e virou alvo de homofobia. O ex-governador chegou a fazer um desabafo, durante sua participação em um famoso podcast.

Continua após a publicidade

“Falar publicamente sobre isso toca a vida das pessoas, me senti acolhido e pude oferecer acolhimento também. Recebi mensagens de gente que ficou mais à vontade para falar sobre o assunto com sua própria família. Mas recebi críticas de gente me cobrando erguer uma bandeira. Mandaram também mensagens para o meu namorado. ‘Estão te pagando quanto para você inventar que é namorado dele’, foi uma delas”, começou ele.

“Acredito que nem todo gay precisa ser ativista. Não devo ignorar os temas, claro. Evidente que devem combater o preconceito, evidente que devem fazer enfrentamento desses temas. Mas não necessariamente será a causa da vida da pessoa. É bom e importante que existam os ativistas. Disseram que eu não teria agenda LGBT no governo. Não é absolutamente verdade. A agenda está e estará presente, mas não é uma agenda do LGBT, é uma agenda da igualdade”, disse Leite em entrevista ao podcast No Flow.

Renunciou ao cargo no governo do estado

Eduardo Leite deixou o governo do Rio Grande do Sul para concorrer nas próximas eleições. O vice-governador Ranolfo Vieira Jr. foi quem assumiu o cargo. A intenção de Leite era se candidatar à presidência da república. No entanto, recentemente ele demonstrou apoio à pré-candidatura de João Dória ao posto de presidente do país.

Caso quisesse tentar se reeleger como governador do estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite não precisaria ter renunciado ao seu cargo. Ele é filiado ao partido PSDB.