Fechar
Alerta antigo

Em 2015, Ana Paula Arósio já alertava sobre o retinoblastoma

Atriz acabou sendo estrela de uma campanha de prevenção contra o câncer detectado na filha de Tiago Leifert

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Tiago Leifert e Daiana Garbin falaram abertamente no ‘Fantástico’ deste domingo (30) sobre o retinoblastoma de Lua, filha do casal que luta contra um câncer nos olhos. Mas, a doença rara e que atinge muitas crianças com menos de cinco anos, já vinha sendo alertada pelos  oftalmologista em todo Brasil. Há sete anos, a atriz Ana Paula Arósio foi estrela da campanha de prevenção contra a doença veiculada na televisão.

‘O olho de uma criança pode dizer quando ela está feliz, triste, assustada ou com sono. Oolho de uma criança pode dizer muitas coisas, inclusive, quando ela tem câncer. Fotografe o seu filho com flash e se você notar qualquer diferença nos olhos, procure um médico. Quanto antes o tumor for detectado, mais chances têm de ser curado”, diz Arósio no anúncio.

Lua está com um ano e três meses e o diagnóstico foi feito em outubro do ano passado. Na entrevista, Tiago contou ter descoberto a doença e, por isso, desistiu de apresentar o ‘The Voice Brasil’. “Eu descobri na véspera da gravação da segunda fase. Ia embarcar com a Lua e a Daiana no dia seguinte. Liguei para o Boninho e falei: ‘tenho um problema aqui’. Ele falou: ‘Fica aí, deixa que eu dou um jeito’. Eu não tinha a menor condição de fazer nada. Eu não sou uma pessoa triste, mas naqueles dias conheci a escuridão, não tinha a menor condição de trabalhar. Depois de algumas sessões de quimio, voltamos a tentar fazer uma coisa ou outra”, contou.

O diagnóstico foi retinoblastoma, um tipo raro de câncer que atinge principalmente crianças. O tumor se origina dentro do olho, na retina, que é uma camada muito importante do globo ocular, rica em fotorreceptores. A função dessas células é captar a luz e enviar a informação ao cérebro, gerando a visão.

Continua após a publicidade

“A gente já fez quatro sessões de quimioterapia, a quimio intra-arterial, como se fosse uma cirurgia, um cateterismo. Os médicos levaram o remédio até o olhinho. Por isso que não tem tantos efeitos colaterais. Não sabemos quantas sessões vão ser necessárias. O tratamento é um passo por vez, mas a gente está muito confiante, tem muita fé e tem certeza total da cura da nossa filha”, explicou Daiana na entrevista ao ‘Fantástico’.