CASOS DE POLÍCIA

Equipe de Filipe Ret se pronuncia após cantor ser alvo de uma operação policial

O cantor, que foi conduzido de um resort em Angra dos Reis para a sede da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), no Rio, também usou o Instagram para se defender

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Após ser conduzido de um resort em Angra dos Reis, na Costa Verde Fluminense, para a sede da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, Filipe Ret deixou a especializada sem prestar depoimento nesta terça-feira (19). O cantor, que foi autuado por porte de drogas para consumo pessoal, também não quis comentar nada com os jornalistas sobre a investigação de um ‘open maconha’ em sua festa de aniversário.

Antes de entrar, ao invés de se defender, Ret aproveitou a presença da imprensa no local para divulgar a nova contratação da sua gravadora. “MC Maneirinho é o novo artista da Nada Mal, dia 1º de agosto, música nova no canal da Nada Mal”, anunciou, sem responder nenhuma outra pergunta.

No entanto, a assessoria de imprensa do rapper enviou um comunicado sobre a operação policial. “Após cumprir uma agenda intensa de shows e lançamentos, Filipe Ret foi para Angra dos Reis com a sua família e amigos para um período de descanso. Na manhã desta terça-feira, 19 de julho, o artista foi surpreendido por uma operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que o conduziu para a Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE-RJ), na Cidade da Polícia, no Jacarezinho, na Zona Norte.”iniciou a nota.

A equipe de Filipe Ret explica que houve apreensão de alguns objetos do cantor. “Houve uma ação em que foram apreendidos pertences pessoais do artista. Filipe Ret, que já se declarou usuário de maconha, foi conduzido à delegacia e foi lavrado apenas um termo relativo à posse de maconha para uso pessoal. Qualquer alegação diferente desta, se trata de uma afirmação descolada da realidade e única e exclusivamente do interesse de terceiros. Filipe Ret agradece o carinho dos fãs, da família e de amigos.”, finalizou.

O cantor também se pronunciou através dos seus Stories no início desta noite. Ele disse que não comete nenhum crime. “Obrigado por todas as mensagens de carinho e preocupação de vocês. Eu não sou perfeito, mas nada que faço é motivo de prisão”, escreveu ele.

Ele se desculpou com os seus familiares. “Peço desculpas sinceras a meu pai, minha mãe e ao meu filho por terem suas casas invadidas e reviradas. Vocês não tem nada a ver com a história e não mereciam isso. Já estou bem. Amo vocês. Agora só preciso descansar e passar mais tempo com o meu filho”, finaliza.

O rapper foi flagrado em posse de substâncias ilícitas no momento em que os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em cinco endereços dele na manhã desta terça-feira (19). Os mandados em questão fazem parte do inquérito instaurado pela delegacia para investigar o artista pelo crime de tráfico de drogas, após viralizar imagens em que ele oferece um ‘open maconha’ em sua festa de aniversário, que aconteceu no último dia 23 de junho, em uma casa de shows do Rio de Janeiro.

Filipe Ret aparece nas imagens segurando um baldinho azul com vários baseados dentro, que eram distribuídos por ele entre os convidados do evento. A Polícia Civil bateu em quatro endereços do cantor, na Zona Sul carioca, além da casa de shows onde a festa de aniversário foi realizada, para cumprir com os mandados de busca e apreensão.

O mandado determinou que fossem recolhidos equipamentos eletrônicos como computadores e HDs com informações da festa de Filipe Ret, mas a casa noturna se recusou a entregar a íntegra das imagens do evento do cantor.

Previsto no artigo 33 da Lei 11.343 de 2006, o crime de tráfico de drogas envolve qualquer tipo de venda, compra, produção, armazenamento, entrega ou fornecimento, mesmo que gratuito, de drogas sem autorização ou em desconformidade com a legislação pertinente.