se manifestou

Guilherme de Pádua reage a documentário de Daniella Perez e critica produção

Ex-ator ainda prometeu trazer à tona algumas 'coisas' sobre o caso

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Assassino confesso de Daniella Perez, o ex-ator, Guilherme de Pádua, de 52 anos, se manifestou sobre o documentário ‘Pacto Brutal’, que traz ao público riqueza de detalhes do desfecho da investigação que resultou em sua prisão e de sua ex-mulher, Paula Thomaz, pela morte da filha de Gloria Perez.

Em longo vídeo compartilhado em seu perfil no Instagram, ele, que cumpriu em regime fechado 7 dos 19 anos de sua condenação, acusa produção de parcialidade. “É totalmente parcial”, aponta o agora pastor de uma igreja batista em Belo Horizonte, sua cidade natal.

Guilherme de Pádua também afirmou que tem evitado relembrar o crime, que aconteceu no ano de 1992. “Não vou me fazer de vítima, mas não é nada agradável [essa situação]”, disse ele, que ainda completou: “Já passei noites tentando consertar, mas não tem como consertar o passado”.

O assassino de Daniella Perez diz ter visto o documentário logo que estreou e avaliou: “Você vai assistir uma série totalmente parcial. Um trabalho jornalístico pretende trazer todas as provas, apresentar as evidências”, disse ele, que aproveitou para criticar a HBO Max.

“E a HBO tinha condições de fazer uma coisa bastante completa e dar a nós, espectadores, o direito de fazer a nossa própria análise. A HBO perdeu essa oportunidade”, opinou. Pádua acrescentou que a versão apresentada na série documental seria a da acusação.

“Eu consigo quebrar de forma devastadora algumas das teses que estão sendo apresentadas. A HBO, tão famosa, tão profissional, deu uma bobeira dessas, deixou essa lacuna”, declarou.

Pádua ainda prometeu trazer a público ‘algumas coisas’ sobre o caso, mas sem entrar em detalhes sobre o que seria: “Pode aguardar. Se eu trouxer alguma coisa de novidade, eu vou dar a você a oportunidade de tirar suas conclusões”, avisou ele aos seus seguidores na plataforma

Já em seu canal, no Youtube, Guilherme de Pádua disse ter sido pego de surpresa com a notícia sobre o lançamento do documentário na HBO Max, e ainda reclamou que não tenha sido convidado pela produção para dar seu depoimento.

“Surgiu a notícia de que eu teria bloqueado minhas redes sociais por saber deste seriado. Isso não é verdade, porque em maio de 2020, quando saí, ainda não sabia desse seriado. Alguém aí tinha notícia? Eu fiquei sabendo há seis meses, de surpresa, não fui procurado”, comentou ele, que hoje é pastor em Belo Horizonte.

Pádua e Thomaz não foram procurados para dar seus depoimentos, assim como os demais envolvidos no caso, porque a direção da produção não queria dar espaço para os assassinos confessos da atriz e queria contar a história do ponto de vista da família da vítima.

“A decisão de não falar com o Guilherme veio da gente como documentaristas. A gente achou que, ao longo dos anos, eles já tiveram muitas plataformas na mídia pra falar as versões deles. Versões que, quando chegaram no julgamento, eles não conseguiram provar. A gente achou que não deveria dar essa plataforma pra ele nesse momento. Já a Gloria [Perez, mãe de Daniella] não tinha tido chance de contar essa historia de maneira completa”, afirmou o diretor Guto Barra ao Notícias da TV.

Guilherme de Pádua e Paula Thomaz foram condenados a quase 20 anos de prisão por homicídio qualificado, após o júri popular acatar a tese da acusação de que o crime, que aconteceu em um matagal ermo, na Barra da Tijuca, foi premeditado pelo casal. No caso de Paula, a motivação para o assassinato seria ciúmes do marido, que fazia par romântico com Daniella Perez na trama ‘De Corpo e Alma’.

Já em relação a Pádua, houve o entendimento de que o crime teria sido cometido por vingança contra a autora da novela, Gloria Perez, mãe da vítima, por ter tido as cenas de seus personagens reduzida na trama. Ocorre que o personagem dele (Bira) estava prestes a terminar o relacionamento com a personagem de Daniella (Yasmin) e, por conta disso, ele começaria a perder espaço para Fábio Assunção no folhetim.

Guilherme de Pádua assassinou Daniella Perez com 18 golpes de tesoura (Reprodução)