Fechar

EXCLUSIVO Jogador do Fluminense e mulher podem ser despejados de imóvel

Felipe Melo e Roberta Nagel são acusados de não pagarem aluguéis e não entregarem as chaves de uma propriedade em São Paulo

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

O jogador do Fluminense Felipe Melo sofreu uma derrota no início desta semana, não em um campo de futebol, mas nos tribunais da Justiça. O meia e a mulher Roberta Nagel estão prestes a serem despejados de um imóvel alugado em Santana de Parnaíba, São Paulo, por falta de pagamento da locação, além de não devolverem as chaves da casa. Na última segunda-feira (11), a juiza da 1ª Vara Cível de Barueri, Natália Assis Mascarenhas deferiu uma ordem de despejo.

Segundo os autos, em 2018, foi firmado um contrato de locação residencial entre Roberta e a empresa do proprietário do imóvel. Felipe Melo foi o fiador do negócio e a locação inicial estava prevista por um período de 30 meses, com término, em novembro de 2020. Após, essa data o aluguel passaria a vigorar por prazo indeterminado.

O autor do processo e dono do imóvel alegou que a locatária atrasou o pagamento dos aluguéis por diversas vezes durante todo o período de locação e que não teria pago as parcelas de dezembro de 2021 e janeiro de 2022. Com isso, ele decidiu por fim ao contrato através de uma notificação extrajudicial à ré e ao fiador, concedendo um prazo de 30 dias para a desocupação a contar do início de janeiro.

Nos primeiros dias de fevereiro, o proprietário se preparou para uma vistoria de constatação das condições do imóvel, mas a locatária negou acesso ao local. Houve nova notificação, para informar que tal medida violaria uma cláusula do contrato. Em seguida, o dono do imóvel ajuizou ação de despejo contra Roberta por conta da mudança do casal para o Rio de Janeiro, como ela anunciou em suas redes sociais, sem devolver as chaves ou permitir a vistoria.

Continua após a publicidade

No início de março, a juíza Natália Assis Mascarenhas negou o pedido de despejo e explicou que o contrato estava garantido por meio de fiança, o que impediria a concessão de liminar. Na mesma decisão, a magistrada informou que a ré poderia evitar a rescisão se quitasse os valores devidos em um prazo de 15 dias.

Um mês depois, Natália Mascarenhas decidiu revogar a liminar anterior após um oficial de Justiça constatar várias caixas embaladas, com a marca de uma transportadora, no imóvel. Ele constatou que não tinha ocorrido uma desocupação voluntária. A juíza, então, manteve o indeferimento da liminar de desocupação e designou uma audiência de conciliação para o próximo mês de maio.

A coluna procurou a assessoria do jogador do Fluminense que confirmou o imbróglio envolvendo Felipe Melo e o proprietário do imóvel alugado em Santana de Parnaíba. “O Felipe alugava esse imóvel e o proprietário depois ofereceu a opção de compra. Eles fizeram um contrato e ficou acordado que os valores dos aluguéis seriam abatidos na quantia final de compra. Ele e Roberta foram depositando os aluguéis e nada da escritura. O Felipe ficou preocupado com a situação e decidiu suspender o pagamento. Ele parou de depositar o aluguel com a garantia de que voltaria a pagar desde que a escritura fosse passada para o seu nome, o que não aconteceu. O Felipe tem tudo isso documentado e só deixou de pagar porque queria a escritura”, revelou o assessor do jogador.