Fechar
revelações

Latino revela experiência traumatizante ao posar nu: ‘não fiquei de p*au duro’

Cantor contou que quase precisou devolver cachê por conta da dificuldade de armar a barraca’

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Sem papas na língua, Latino abriu o coração em entrevista ao Bulldog Podcast, comandado pelos apresentadores Tuka Carvalho e Samira Ponce. Ele contou que, no auge da fama, nos anos 2000, quando levava as mulheres à loucura com todo o seu gingado na dança, teve uma experiência traumatizante ao posar para a G Magazine, revista erótica destinada ao público LGBTQIA+.

“Os caras me deram R$ 200 mil para colocar o p*nto pra fora e eu já fiz isso tantas vezes de graça. Foi esse o pensamento. Eu precisava quitar o apartamento de uma filha minha ou dar de entrada, não lembro direito agora, e eu pensava ‘vou colocar o pinto pra fora e vou ganhar essa grana’, mas eu não estava pensando nas consequências disso”, admite.

O cantor ainda lembrou a dificuldade de ‘armar a barraca’ para fazer as fotos. “Pensei que seria fácil, era só tocar uma ‘bronha’ e pronto. Só sei que não fiquei de p*u duro. O dia inteiro com o p*u meia bomba, fiquei desesperado. Aí tem o maquiador, o cara que liga a luz, o câmera, o fotógrafo, segurança. Como que eu ia conseguir ficar excitado numa situação dessa? Quando você aceita fazer, assina o contrato, tem uma cláusula de que o pênis tem que ficar ereto”, revelou.

O cantor disse que tomou uma garrafa de whisky no primeiro dia da sessão de fotos, mas nada acontecia com seu ‘instrumento íntimo’. “Chegou no dia seguinte, o produtor me perguntou qual era o tipo de menina que eu gostava. Ele me deu um shake afrodisíaco e arrumaram uma menina pra mim. Sexo é tudo na cabeça, se você se concentrar, consegue. Mas naquela situação ali, não dava. A menina teve que trabalhar em cena pra eu conseguir fazer as fotos”.

Continua após a publicidade

O artista completou o relato dizendo que por pouco não precisou devolver o polpudo cachê. “Se chegasse no terceiro dia e eu não conseguisse que o menino levantasse, eu ia ter que devolver o dinheiro”.