Fechar
Mas que história!

Lívia Andrade faz tratamento no ânus

Apresentadora dá detalhes de um procedimento alternativo indicado para alergias e processos inflamatórios

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

A apresentadora Lívia Andrade foi uma atração à parte do ‘Que História é Essa Porchat?’, do canal GNT, exbido na madrugada desta quarta-feira (1). Ela arrancou gargalhadas no estúdio ao contar detalhes de um tratamento ‘alternativo’, que fez recentemente para curar um processo inflamatório. Lívia colocou um litro de café no ânus.

“Eu estou aqui prestando a atenção nas histórias lindas e muito constrangida. Estou muito preocupada com o que eu vou contar. Vai ser uma vergonha e também um tipo de sessão de terapia porque eu vou contar para geral. As pessoas vão me ver na ruas e falar ‘ela é aquela do procedimento estético”, começou Lívia contando a sua história.

A loira revelou que sempre sofreu com muitas alergias e processos inflamatórios que não tem cura e, por isso, precisou buscar tratamentos alternativos já que os antibióticos não estavam funcionando mais e aí a médica indicou o procedimento com o café.

“Como eu estava nesse monte de gravação, eu precisava fazer em outra clínica, é uma injeção muscular, um soro com ozônio e [um procedimento no] ouvido. Beleza, é um tratamento extremamente caro. A primeira crise que eu tive foi R$ 20 mil! A gente reza, acende vela… tudo pela saúde”, continuou Lívia.

Continua após a publicidade

“Tinha um roupão pendurado, desses de hotel bem chique. Me vestir pra fazer um bagulho no ouvido? Tá. Eu falei: que delícia esse cheiro de café (…) e ela falou: ‘você pode ficar de lado’. Aí eu olhei, era um bule de café muito diferente do comum, mas a gente nunca sabe. ‘Então amor, eu vou colocar um litro de café dentro de você pelo toba’. Eu não sabia o que falar. Já tinha pago, custou caro. Me senti quase com uma arma na cabeça”, zombou a ex-contratada o SBT. 

Lívia terminou contando detalhes do procedimento que introduz o café por uma mangueirinha e o líquido precisa permanecer dentro do corpo por, no mínimo, 15 minutos. “Quando deu quatro minutos, deu uma contração. E eu: ‘amor, vai ficar aí?’. Quando deu sete minutos eu achei que ia parir ali”, contou ela entre risos. “Deixei acontecer, tomei um banho, vesti minha roupa e sai com o ombrinho caído. Eu entrei no meu carro e silêncio. Não liguei nem o som”, finalizou.