Fechar

EXCLUSIVO MP se nega a suspender cachê de Daniela Mercury por show de apoio a Lula

Órgão se manifestou indeferindo pedido de advogado em ação pública e argumentou que precisa de esclarecimentos da prefeitura e da CGM

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) se manifestou no último dia 11, informando que indeferiu o pedido liminar do advogado Arthur Hermogenes Sampaio Júnior para suspender um cachê de R$ 100 mil de Daniela Mercury, que foi pago com dinheiro público. A quantia é referente a um show da cantora em apoio ao ex-presidente Lula, que aconteceu no dia 1º de maio, na Praça Charles Miller, no bairro Pacaembu.

Em sua decisão, o MP argumentou que não teria sido juntada uma prova legível da contratação do show de Daniela Mercury pela Prefeitura de São Paulo. O MP entendeu que não precisaria intervir, uma vez que supostamente a Prefeitura de São Paulo já teria suspendido o pagamento do cachê da artista, por meio de investigação de sua Controladoria Geral do Município (CGM). Desta forma, foi solicitado que o Município de São Paulo preste esclarecimentos acerca do procedimento instaurado pela Controladoria Geral, para saber se, de fato, já houve ou não a suspensão do pagamento da cantora.

Além disso, o Ministério Público pediu esclarecimentos à Prefeitura se houve um pronunciamento de Daniela Mercury solicitando o cancelamento do contrato e do pagamento pelo show que realizou. A solicitação do órgão foi necessária após começar a circular a informação de que a empresa que representa Daniela Mercury teria enviado um ofício à Secretaria Municipal de Cultura, pedindo o cancelamento do contrato e do pagamento.

Seis dias antes de o MP se manifestar na ação, a assessoria de Daniela Mercury já havia emitido um comunicado negando que o show tenha sido contratado pela prefeitura e afirmando que o acerto da performance ocorreu através da produtora MGioria Comunicações.

Continua após a publicidade

Disse ainda que o valor do cachê foi quitado integralmente pela MGioria e que a artista não recebeu e nem receberá nenhum recurso da prefeitura. Apesar da negativa de que a cantora teria se beneficiado de dinheiro público, o pagamento do cachê de Daniela à produtora MGioria Comunicações consta no Diário Oficial do município.

Até o momento, a Controladoria Geral do Município não esclareceu se o cachê de Daniela Mercury foi mantido ou suspenso, após ter aberto procedimento para investigação da origem da quantia. Também não houve ainda um esclarecimento Prefeitura de São Paulo para saber se, de fato, a própria Daniela Mercury abriu mão do cachê, através do tal ofício que teria sido enviado à Secretaria Municipal de Cultura.

Os shows culturais em comemoração ao tradicional Dia do Trabalhador foram marcados por uma polêmica. Durante o evento, que reuniu sete centrais sindicais, Daniela Mercury manifestou apoio publico ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que participou do ato e havia discursado no palco minutos antes da artista demonstrar sua preferência política.

Na ocasião, Daniela Mercury puxou um coro de “Lula” e segurou uma bandeira com o rosto do político petista estampado. “O Brasil precisa de Lula”, disse a cantora ao final de seu show. Além dela, outros três artistas se apresentaram na festa organizada em frente ao Estádio do Pacaembu.