ExclusivoMulher diz que músico do Imaginasamba se nega a realizar exame de DNA. Ele se defende

Apesar da justiça já ter determinado a coleta do material genético duas vezes, Alisson Olímpio não compareceu ao laboratorio

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Sete anos. Esse é o tempo que Bruna Lopes Barreto e o filho, já com 11 anos, aguardam para a realização de um exame de DNA para o reconhecimento de paternidade por parte do músico Alisson Olímpio, cavaquinista do grupo de pagode Imaginasamba. Mesmo com a justiça já tendo determinado duas vezes que a coleta do material genético fosse feita, o artista não compareceu ao laboratório para a ação.

Em conversa com a coluna, Bruna contou que engravidou logo no segundo encontro com o músico. “Foi um amigo nosso que apresentou a gente, em Belo Horizonte. Nos conhecemos uma vez e na segunda vez, tivemos relação. Eu engravidei. Procurei ele depois e ele pediu para eu não ter [o filho], mas eu decidi cuidar sozinha. Casei com outra pessoa e deixei ela registrar, mas já foi feito um exame e ela vai tirar o nome da certidão do meu menino”, explicou.

Em seguida, ela revelou que, aos 5 anos, o filho decidiu que queria o pai biológico. “Meu filho quis conhecer o Alisson e aí eu entrei na justiça. Mas ele só foi na primeira audiência. Lá, ele pediu o exame de DNA, mas depois na hora de realizar, ele não quis ir mais, não apareceu”, disse. 

Bruna Lopes ainda explicou que tentou propor que os dois dividissem o valor do exame para que fosse logo feito, mas a proposta não foi aceita por Alisson. “Eu pedi para a gente dividir e fazer o exame, ele também não quis. Ele está atrasando a vida do meu filho, que já tem 11 anos. Nem precisa mais de pensão. Tô criando meu filho pra estudar, trabalhar e conquistar as coisas dele, mas é para resolver essas coisas da justiça que já está chato”.

Bruna Lopes Barreto disse ainda que um novo pedido para a realização do exame de DNA já foi deferido pelo juiz do caso, mas ainda sem data definida. “A juíza tinha me pedido três testemunhas, eu arrumei e agora já vão marcar para fazer um outro exame. Eu não tenho muito contato com ele porque ele me bloqueou das redes sociais, mas eu deixo o telefone dele salvo porque se sair o pedido do exame, vou mandar pra ele, para depois não dizer que não saiu”, contou.

Procurado pela coluna, Alisson Olímpio disse que não se nega a fazer o teste para saber a paternidade do menino de 11 anos. “Realmente, existe isso, não nego. Só que a criança já é registrada, ela já tem um pai. E ela diz que o filho é meu. Eu falei pra ela procurar a justiça e quando a justiça me chamasse, eu ia lá fazer o DNA, todas as vezes que ela falou comigo, eu disse isso. Mas ela quer ficar tratando comigo de boca e eu não tenho um bom relacionamento com ela, então não vou ficar tratando nada. Mas eu não me nego a fazer o teste”, contou.

Sobre não ter comparecido ao laboratório quando solicitado pela justiça, o músico do Imaginasamba explicou: “Chegou intimação para mim uma vez e eu não pude comparecer porque eu estava trabalhando e deixei isso claro. Depois não chegou, me contactaram pelo Whatsapp na pandemia, aí falaram que não era obrigado a ir, que eu podia mandar os dados e, desde então, não chegou mais. Mas falar que eu me nego a fazer, isso é mentira”.

Por fim, ele reforçou que não tratará nada diretamente com Bruna Lopes. “Uma coisa é falar: ‘não, não vou fazer DNA, esse filho não é meu, não quero saber’. Não, eu quero saber sim, se ela for na justiça e chegar a intimação, eu vou. Agora, ela ficar me mandando foto do menino, pedindo coisa pra minha família, tentando me difamar, não vou tratar nada com ela”, informou.