AI, QUE LOUCURA!

Narcisa diz que se considera uma líder feminista: ‘A mulher recatada não está com nada’

A socialite também falou sobre a sua amizade com Michael Jackson

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Narcisa Tamborindeguy falou sobre um tema muito debatido e de grande importância na sociedade: o feminismo. Em entrevista ao podcast “Lá no Pod, das atrizes Cláudia Lira e Monique Curi, a socialite disse que, apesar de não ter tido essa pretensão, virou uma representante das mulheres. 

“Sem querer, eu virei uma líder feminista. Sou o que sou. As mulheres me amam. Não sou uma mulher recatada, uma mulher que fica em casa, falo o que penso, sempre fui assim, verdadeira, original e única. Sem querer, virei uma rainha feminista”, declara. 

Ela continua falando sobre o assunto: “A mulher recatada não está com nada, tem que dizer o que pensa. Veio na vida fazer o quê? Qual sua opinião? As mulheres de antigamente eram retraídas, eram reprimidas pelos homens”. 

Sempre muito extrovertida em eventos e entrevistas, a famosa comentou que tem momentos de introspecção.”Tem horas que estou mais comigo mesmo, que vem pensamentos ruins, procuro mentalizar mantras para pensar em coisas boas”, desabafa.

Durante o papo, a ex-esposa do diretor Boninho comentou sobre a amizade que tinha com Michael Jackson, morto em 2009. Ela conta que conheceu o rei do pop em um voo.

“Ele me adorou e queria saber tudo sobre o Rio no meio do voo. Ele me amou. Michael Jackson ficou meu camarada. Te amo, Michael Jackson, aí no céu”,  

Narcisa ainda falou sobre o seu famoso bordão: “Ai, que loucura!”. A primeira vez que ela disse ele foi durante uma participação no “Você Decide”, programa exibido pela Globo entre 1992 e 2000.

“Fazia o papel de uma mulher muito rica que ia comprar uma obra de arte. Nessa hora, um personagem me abordou e eu disse: ‘Ai, que loucura'”, recorda. 

Narcisa Tamborindeguy