Fechar
desabafo

‘Nunca tentei barrar memes’, esclarece mãe da bebê Alice

Morgana Secco afirma que teve sua fala distorcida e que reclamou do uso da imagem de Alice para fins políticos e religiosos

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Mãe da bebê Alice, do comercial com Fernanda Montenegro, Morgana Secco voltou às redes sociais para falar sobre a imagem da filha ser usada de forma indiscriminada na internet. Ela, que anteriormente havia reclamado do rosto de Alice ser atrelado à política e religião, além de ser usado por empresas e instituições comerciais sem autorização, disse que teve sua fala distorcida e que, por conta disso, vem sendo atacada nas redes sociais.

“Lamentável as chamadas sensacionalistas de algumas matérias, distorcendo o que eu falei e incitando as pessoas a me atacarem”, começou Morgana em seu desabafo.

Ela ressalta que nunca teve a intenção de proibir memes com o rosto da filha. “Nunca tentei barrar memes, pedi bom senso e para não relacionarem a imagem da Alice com fins políticos e religiosos, por exemplo. O que vejo é que muita gente não sabe que violar direito de imagem é crime. E ser pessoa pública não diminui este direito”, continuou.

“Por desconhecerem as leis, começaram a culpar a vítima (no caso, eu) pelo crime. Dizer que a culpa é minha é como dizer que mulher que sai de casa de roupa curta merece ser abusada”, finalizou.

Continua após a publicidade

Nesta semana, a mãe da bebê Alice gravou vídeo para reclamar do uso indiscriminado da imagem de Alice. “Faz muitos dias que estou recebendo muitos memes com o rosto da Alice. A maioria deles são inocentes, são até engraçados, mas alguns deles não são. E é sobre eles que queria falar. Queria deixar claro que a gente não deu autorização para nenhum deles e a gente não concorda em associar a imagem da Alice com fins políticos ou religiosos, por exemplo”.

Ela também citou empresas e instituições se aproveitando da imagem de sua filha sem autorização comercial. “Além disso, a gente não autorizou nem o uso dela de empresas ou de instituições (obviamente isso não se aplica a empresas que temos contrato comercial, essas estão autorizadas dentro dos termos de contrato). Então a gente também não autoriza campanhas de divulgações”, disse.

Tags Relacionadas: