Fechar
Queria sigilo

‘Pedi ajuda para trabalhar em paz’, revela Dani Calabresa

Atriz assume que achou que a denúnciade assédio ficaria restrita aos chefes da Globo

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Dani Calabresa evita falar sobre o assédio moral e sexual que sofreu de Marcius Melhem durante um tempo na Globo e, que no ano passado, a violência se tornou pública. Por determinação na Justiça, a atriz, que não pode falar o nome do seu agressor nem dar detalhes do ocorrido até que o processo seja concluído, assumiu que não esperava a repercussão. Ela pensou que a denúncia ficaria restrita aos chefões da emissora.

“Queria que o assunto ficasse restrito à empresa. Pedi ajuda para trabalhar em paz, para ter paz. Já é uma situação delicada. Especulações, comentários e fofocas machucam ainda mais. Não assediei nem desrespeitei ninguém. Não era para pesar para mim. Quero seguir tranquila, com leveza e nuggets (risos), contou em entrevista ao jornal O Globo.

Dani também contou que demorou para perceber que estava sofrendo assédio. “É muito difícil a gente conseguir perceber e assimilar quando uma coisa tão absurda como essa acontece. Nós, mulheres, fomos criadas para acreditar que os homens podem falar palavrão, fazer putaria, trair, que tudo isso é normal, “coisa de homem”. Mas é um absurdo normalizar esse tipo de comportamento. Depois, a gente passa por situações difíceis e até se questiona se está exagerando ao ficar indignada. Mas a reposta é a seguinte: se causa constrangimento, se provoca medo, se faz mal para o emocional, não é exagero. E não é uma briga”, explicou a humorista que ainda está assimilando a exposição.

“Achei que ficaria entre os chefes da Globo e ainda estou assimilando toda essa exposição… Mas também não quero me preocupar com isso. Quero que as pessoas pensem assim: sabe quem é a Dani? A Dani é apaixonada por comédia, apaixonada pela Disney, apaixonada pelos amigos. Ela superou uma traição e um assédio? Superou! Ela brinca, é cômica, mas também mostra que vai à luta mesmo com medo. Ter coragem não é não sentir medo e, sim, batalhar pelo que se acredita. É muito melhor enfrentar um problema do que arrastar um sofrimento”, completou Dani.

Continua após a publicidade