Fechar

EXCLUSIVO Ronaldo Fenômeno compra time de futebol e deixa de pagar pensão do filho

Ex-jogador esta há quase três meses sem quitar débitos de alimentos do filho Alex, de 16 anos

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Esta coluna descobriu que a esteticista Michele Umezu, mãe de um dos filhos do ex-jogador Ronaldo Fenômeno, entrou com uma ação de execução, por conta do atraso da pensão alimentícia do filho, hoje com 16 anos.

Em março completam três meses que Ronaldo não paga a pensão ao adolescente e não dá qualquer justificativa para estar com os débitos em aberto. Procurada pela coluna, a advogada de Michele confirmou a informação e revelou já ter protocolado o pedido de prisão do craque, caso ele insista em continuar devendo. 

“Ele não paga desde dezembro. Nós já entramos com a ação de execução no fórum da Barra. O que a Michele acha que aconteceu é que o Alex não quis passar o Natal com o Ronaldo, agora em dezembro, e em represália ele não pagou dezembro, janeiro e fevereiro”, revela a advogada Solange Pereira Marsiglia.

 A advogada lamentou que tenha precisado chegar neste nível, uma vez que Ronaldo tem condições de honrar com os alimentos do filho. “Eu já pedi a prisão, mas o juiz só defere depois que ele for citado, o que ainda não aconteceu. A partir do momento da citação, ele tem três dias para pagar ou justificar por que não está pagando. E se não pagar ou a justificativa não for aceita pelo juiz, então a prisão é decretada. Claro que ele não vai ser preso nunca por não pagar, mas é uma vergonha chegar nesse nível. O cara comprando um time de futebol inteiro e não pagar a pensão do filho”, completou a advogada. 

Continua após a publicidade

Além da pensão, Ronaldo Fenômeno também cortou o segurança que disponibilizava ao filho, além de ter suspendido a mesada que ele dava diretamente ao garoto. Michele Umezu e Ronaldo Fenômeno tiveram um rápido relacionamento em 2004. Ela entrou em contato com o craque pedindo o reconhecimento da paternidade quando o menino tinha oito meses. A Justiça demorou 5 anos para concluir a realização do exame de DNA e finalizar o reconhecimento da paternidade.