ExclusivoSecretaria de Saúde do Rio rebate Bruno Krupp

Modelo acusou a equipe médica do Hospital Municipal Lourenço Jorge, para onde ele foi levado inicialmente, de maus-tratos

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Através de um vídeo, Bruno Krupp revelou ter sofrido maus-tratos pelos funcionários do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, para onde foi levado inicialmente. Procurada pela coluna, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde informou que não há registros de queixa do modelo sobre as supostas condutas inadequadas.

“A direção do Hospital Municipal Lourenço Jorge informa que o paciente Bruno Krupp foi atendido na noite de sábado após acidente de trânsito, passou por todos os cuidados e exames indicados, inclusive tomografia computadorizada, e teve alta no domingo, após ser liberado pelos médicos das especialidades que o atenderam”, respondeu.

Bruno também disse que foi transferido de ambulância pra outro hospital. O que também foi desmentido pela órgão. “Em diversos momentos durante o atendimento, o paciente expressou desejo de deixar a unidade e ir a um hospital da rede particular, porém não houve solicitação de transferência, o que, nesses casos, deve ser providenciada pela família junto ao plano de saúde. Bruno teve alta e deixou a unidade por meios próprios”, pontuou.

Fontes da coluna de dentro do hospital informaram que o rapaz teve alta e que um carro o buscou para levar para casa. Mas no meio do caminho, ele resolveu ir para o hospital particular Marcos de Moraes, no Méier.

Já sobre as declarações do modelo ter sido maltratado e chamado de assassino pelos funcionários do hospital, a SMS afirmou que ele não formalizou nenhuma reclamação. Caso faça, a direção irá apurar a denúncia.

“Não há registro de queixa de Bruno Krupp sobre supostas condutas inadequadas por parte da equipe assistencial. Caso ele queira formalizar a reclamação, a direção do hospital abrirá um procedimento para apurar os fatos devidamente”, disse a secretaria da Prefeitura do Rio.

O comunicado também esclarece sobre a reclamação do jovem sobre a demora no atendimento. “Sobre o tempo de espera, cabe esclarecer que o Hospital Lourenço Jorge atende na emergência por classificação de risco, com prioridade para os casos mais graves e com risco de vida. Sendo afastada, na primeira avaliação, a possibilidade de lesões graves em Bruno, os médicos deram prioridade a um adolescente que chegou à unidade com quadro gravíssimo, politraumatismo e amputação traumática de membro inferior. O atendimento ao menor envolveu vários médicos na tentativa de salvar sua vida, o que infelizmente não foi possível”, finaliza.

A coluna também apurou as informações iniciais que davam conta de uma lesão grave na coluna do modelo. Os exames do jovem não constataram nenhuma alteração grave.

O que Bruno disse

Bruno Krupp falou pela primeira vez, nesta quarta-feira (3), sobre o atropelamento que matou João Gabriel Cardim Guimarães, de 16 anos, no último final de semana na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Em um vídeo gravado dentro do hospital particular Marcos de Moraes, no Méier, o modelo afirmou que não estava bêbado e nem drogado no momento do acidente.

“Gente, pelo amor de Deus, eu sou a última pessoa que queria que isso tivesse acontecido. Pode ter certeza que eu queria que o pior tivesse acontecido comigo. Eu fui levado de ambulância pro hospital, eu fui transferido de ambulância pra outro hospital, eu não fugi do hospital, eu não fugi dos médicos”, começou ele.

Em seguida, ele afirmou que tudo foi acidente. “Eu fiquei três horas esperando no hospital pra ser atendido e ninguém me atendia. Eu estava morrendo no hospital, os empregados me tratando mal, batendo com a maca no corredor, me chamando de assassino, como se eu tivesse feito alguma errada. Eu não bebi, eu não usei drogas, eu não fiz nada, foi um acidente”, finalizou.

O atropelamento

Esta coluna teve acesso ao boletim de ocorrência do atropelamento envolvendo o modelo e influenciador digital, Bruno Krupp, que resultou na morte do adolescente João Gabriel Cardim Guimarães, de 16 anos, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, na noite do último domingo (31).

Segundo narrou o policial que atendeu a ocorrência, o atropelamento aconteceu na Avenida Lúcio Costa, na altura do número 2016, na pista sentido Zona Sul, em uma faixa de pedestre com semáforo. A vítima, na ocasião, estava acompanhada por sua mãe.

João teve sua perna esquerda amputada no momento do acidente, enquanto Bruno Krupp sofreu escoriações. Ambos foram levados de ambulância do Corpo de Bombeiros para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, mas Gabriel não resistiu aos graves ferimentos.

O policial apurou que Bruno Krupp não possui habilitação e que a moto dele estava sem placas, tendo a mesma sido apreendida e levada à unidade policial. O caso foi inicialmente registrada na 16ª DP da Barra da Tijuca como lesão corporal culposa provocada por atropelamento. Mas como a vítima não resistiu, o caso deverá começar a ser investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital.

Procurada pela coluna, a Polícia Civil emitiu a seguinte nota sobre o atropelamento: “O caso foi registrado na 16ª DP (Barra da Tijuca) inicialmente como lesão corporal na direção de veículo automotor, mas com a morte da vítima será investigado como homicídio culposo na direção de veículo automotor. A perícia foi realizada no local e a motocicleta foi apreendida. O condutor da moto está hospitalizado e será ouvido assim que receber alta médica. De acordo com os agentes, ele não tem habilitação. As investigações estão em andamento para esclarecimento de todos os fatos”.

Bruno Krupp ganhou destaque na internet após engatar um namoro com a também influenciadora digital e apresentadora, Sarah Poncio. O relacionamento dos dois chegou ao fim em fevereiro deste ano, após dois meses juntos. O rapaz é modelo da famosa agência 40 Graus Models.