Fechar

EXCLUSIVO Vídeo! Publicitário aciona polícia após ser agredido por produtor da ‘Farofa da Gkay’

Leandro Garcia afirma que produção do evento teria acobertado seu agressor

Fábia Oliveira EM OFF
Fábia OliveiraColunista do EM OFF

Leandro Garcia, de 22 anos, marcou presença no primeiro dia da ‘Farofa da Gkay’, em Fortaleza, e saiu do evento após se envolver em um episódio de agressão com a produção da festa. Apesar de não ter sido convidado da própria Gkay, o publicitário conseguiu um convite, se credenciou e recebeu a tão desejada pulseira de acesso, mas perto do fim da primeira noite de shows, acabou expulso por um produtor. Ele acusa o profissional de agressão.

“Eu tenho muitos contatos nessas festas de famosos. Consegui uma pulseira da festa da Gkay e entrei. Isso no primeiro dia. Quando estava próximo das 4h da manhã, chegou um produtor da festa bem agressivo falando pra eu sair, porque eu estava de penetra. Eu disse que eu estava de pulseira e mesmo assim ele mandou sair. Para não fazer confusão lá dentro, eu saí com ele e fui gravar um vídeo para mostrar a agressividade dele”, conta o rapaz.

Leandro, que gravou um trecho do momento da agressão, detalha o desagradável episódio. “Ele grudou em mim, começou a torcer minha mão para arrancar meu celular da minha mão, porque ele não queria que gravasse. Ele conseguiu tomar meu celular e eu disse que não sairia enquanto ele não devolvesse meu celular. Ele foi chamar a segurança e eu tomei meu celular da mão dele. Comecei a fazer um monte de vídeos e saí correndo”.

Em vídeo enviado à coluna, Leandro mostra a mão enfaixada após a agressão. “Tá aqui o resultado. A produção da Gkay, um deles totalmente despreparado, veio tomar meu celular, eu seguro (o celular) e ele torce a minha mão até pegar meu celular. ‘Coisou’ meu pulso e eu tenho que usar (faixa de imobilização) por um bom tempo”, narra o jovem nas imagens.

Continua após a publicidade

A confusão com o produtor terminou com viatura da polícia local na porta do hotel onde o evento acontecia. “Chamei a polícia e a viatura foi até o hotel. Os policiais foram chamados para poder identificar o produtor, mas ele se escondeu lá dentro. A produção não deixou a polícia entrar, porque como era um local privado, os policiais não conseguiram acessar. E acabou não dando em nada. O policial registrou a ocorrência e me deu um protocolo para eu incluir no meu boletim de ocorrência”, explica.

Ele ainda lamentou o fato da produção ter ‘acobertado’ o produtor, após a agressão. “O que mais me deixou mal é que eu fui falar com a produção da Gkay para identificar meu agressor e fazer o boletim de ocorrência, e ninguém sabia quem era o produtor, eles quiseram passar pano”, desabafou.

Mas Leandro acredita que Gkay, se tivesse conhecimento do episódio, não conduziria as coisas desta forma. “Talvez a Gkay não apoie isso, porque mesmo que eu fosse penetra de pular o muro sem pulseira, eles não devem fazer isso. Eu estava com a minha credencial, assinei termo, porque não podia entrar sem teste de Covid e sem vacina. Eu mostrei tudo. Só não fui convidado da Gkay, mas eu estava lá todo certinho quanto ao credenciamento”, finaliza.