tensão!

VÍDEO: Repórter da Globo é ameaçada ao vivo por homem armado

Daniela Carla foi expulsa do Morro do Cabral, em Vitória, enquanto noticiava a noite de tiroteios na região

Fábia Oliveira
Colunista do EM OFF

Daniela Carla, repórter da ‘TV Gazeta’, afiliada da ‘Globo’ no Espírito Santo, foi ameaçada por um homem armado, ao vivo, durante uma entrada no telejornal ‘Bom Dia Espírito Santo’. A jornalista falava da violência nos morros de Vitória, quando informou aos apresentadores que a equipe estava saindo do local pois tinha acabado de receber uma ameaça.

“Nós acabamos de ser ameaçados aqui no Morro do Cabral. A gente vai sair daqui agora, um homem armado me ameaçou e nos mandou sair neste momento aqui do Morro do Cabral. Esse rapaz aqui apontou uma arma para mim. Pouco antes, um comparsa dele passou por aqui e falou que a gente tinha que meter o pé e agora ele veio e fez essa ameaça. Nós vamos sair porque não vamos colocar nossa vida em risco”, falou a repórter que seguiu contando a notícia enquanto descia as escadas do local.

Em seguida, Daniela disse estar nervosa. “Estamos deixando essa região agora porque foi ameaçado, se der nós voltamos. Estou nervosa, com a voz meio trêmula, mas é normal”, falou ela que continuou sendo filmada pelo câmera enquanto ia embora.

O apresentador do jornal, então, pediu prontamente para que a repórter deixasse o local. “Dani, sai daí, Dani. Saia logo. Se foi ameaçada, saia logo. Ela está lá para levar informação a você, mas foi impedida de trabalhar. A Dani vai para o carro, para outra região da cidade, assim que for possível, a gente vai tentar cumprir o nosso trabalho de levar informação para você”, falou.

Nas redes sociais, Daniela Carla publicou um desabafo após o ocorrido. Em uma postagem no Instagram, a jornalista falou sobre o trabalho e relembrou as ameaças sofridas, enquanto noticiava uma madrugada de confrontos no Morro do Cabral.

“Contar histórias é o trabalho primordial de um repórter! É pra isso que eu tava numa escadaria do Morro do Cabral hoje cedo. Pra contar como foram as mais de seis horas de tiroteio que moradores inocentes foram obrigados a suportar! Mas assim como se acham no direito de tirar a paz de pessoas de bem, criminosos acham que podem nos impedir de contar o que eles fizeram e cobrar segurança por parte das autoridades…. Não podem! Fizemos nosso trabalho”, começou ela.

Em seguida, a repórter agradeceu por nada ter acontecido com ela. “Obrigada meu Deus, por nos proteger! Só peço que o Senhor tenha misericórdia dos moradores que não tem opção e continuam nessa região tão sofrida! Todo mundo que faz o bem merece viver em paz! Que a polícia coloque os bandidos atrás das grades e que prefeitura e governo coloquem em prática projetos que impeçam que noites e madrugadas como essa voltem a acontecer”, finalizou.