Fechar
O que aconteceu?

Anitta detona governo Bolsonaro ao falar de desaparecimentos na Amazônia

Cantora demonstrou que está indignada com o desaparecimento de Bruno Pereira e Don Philips no Vale do Javari

Aline TorresRepórter do EM OFF

Anitta demonstra que está engajada e por dentro dos fatos importantes que acontecem no Brasil, mesmo estando focada na carreira internacional. Dessa vez, a funkeira resolveu falar sobre o polêmico desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Don Philips. A cantora cobrou justiça e que o caso seja elucidado pelas autoridades competentes.

A artista fez duas publicações, uma no Twitter, em português, e outra no Instagram, em inglês, na tentativa de alcançar mais pessoas do mundo todo. Anitta usou a mesma imagem nas duas postagens, fotos da irmã Dorothy Stang, assassinada a mando de madeireiros em 2005, fato que chamou a atenção da mídia mundial.

“É isso o que acontece com quem tenta lutar de perto contra a devastação da floresta amazônica e a aniquilação dos povos indígenas. O governo sabe tudo o que acontece por lá, mas nunca fará nada a respeito porque não quer prejudicar o agronegócio e a exploração de madeira e ouro. O dinheiro sempre falando mais alto que o meio ambiente. Fod**-se todos vocês idiotas que pensam que podem viver sem a natureza, água ou oxigênio”, escreveu Anitta, detonando o governo de Jair Bolsonaro.

“Se esses criminosos podem andar por aí com armas matando como se não houvesse lei, os ativistas e todos que querem denunciar toda a merda que está acontecendo lá também devem ter suas armas e atirar em todas essas pessoas devastadoras ilegais sem consequências também. Eu estou cansada dessa merda. JUSTIÇA”, completou a artista no texto publicado no Instagram.

Continua após a publicidade

No Twitter, Anitta foi mais direta e afirmou que a amazônia se tornou uma “terra de ninguém”: “Já falei sobre a Amazônia ser uma grande terra de ninguém no Brasil onde se faz o que quer e nada acontece com quem fez ne… o que aconteceu com Dom Phillips e Bruno Pereira????”, disse questionando mais uma vez o que teria acontecido com os dois homens.

Entenda

O indigenista brasileiro, Bruno Pereira e o jornalista inglês Don Philips desapareceram há uma semana, depois de embarcarem em direção a uma região da Amazônia, o Vale do Javari, conhecida por ser uma área comandada por madeireiros que praticam uma série de crimes ambientais. Desde que o desaparecimento foi noticiado, familiares dos dois homens tentam encontrá-los de qualquer jeito.

Apenas três dias após a constatação do desaparecimento, o governo federal decidiu enviar equipes de busca para a região, depois de intensa pressão de organizações nacionais e internacionais, ativistas e sociedade civil do mundo inteiro. O incômodo com a falta de notícias dos dois homens expôs um problema comum na região.

O Greenpeace se pronunciou sobre o caso e afirma que o caso dos dois homens desaparecidos, é a penas a ponta do iceberg de um problema que se arrasta por anos na região amazônica. O órgão avaliou que a falta de uma atuação competente e efetiva do governo brasileiro em toda a amazônia, refletiu na conquista de poder dos madeireiros no local, principalmente no Vale do Javari:

“Cada vez mais, os crimes ambientais se entrelaçam com as redes de narcotráfico na Amazônia. Esse conjunto de atividades ilícitas vem se intensificando e ganhando espaço por conta da omissão do governo brasileiro diante deste estado de barbárie que se apossa da região. Além de encontrar Bruno e Dom, temos o desafio de superar essa economia que consome a floresta e viola direitos humanos na Amazônia”, disse o Greenpeace em nota.

Familiares de Don Philips afirmaram que dois corpos foram encontrados pela Polícia Federal que negou as informações. Agora resta saber o que realmente aconteceu com Bruno e Don Philips desde que saíram para fazer pesquisas ao lado de povos indígenas localizados na região do Vale do Javari.