Fechar
Preconceito

Antônia Fontenelle faz novo comentário xenofóbico e ataca Juliette Freire

Juliette acusou Antônia Fontenelle de xenofobia após fala sobre DJ Ivis no caso de agressão contra Palloma Holanda

Aline TorresRepórter do EM OFF

Antônia Fontenelle movimentou a internet na manhã desta segunda-feira (12) após o comentário xenofóbico que fez sobre o DJ Ivis, acusado de agressão da ex-esposa Pamella Holanda. Juliette Freire resolveu intervir sobre as falas da apresentadora, que revidou a ex-BBB21 chamando-a de “irresponsável”.

Antônia Fontenelle causou polêmica nas redes sociais após se pronunciar sobre o caso de agressão envolvendo DJ Ivis e a ex-esposa dele, Pamella Holanda. Ela foi acusada de xenofobia ao falar mal do músico e chamá-lo de “paraíba” em tom pejorativo:

“Esses paraíbas fazem um pouquinho de sucesso e acham que pode tudo. Amanhã vou contactar as autoridades do Ceará pra entender porque esse cretino não foi preso”, disse em uma postagem nas redes sociais. Após ser replicado por perfis de fofoca, a fala da apresentadora deixou muitos internautas irritados.

Juliette respondeu primeiramente com um texto afirmando que não se deve utilizar “paraíba” ou “paraibada” como algo pejorativo: “Não é força de expressão, é xenofobia. Não existe ‘ser Paraíba’ e ‘fazer paraibada’. Existe ser PARAIBANA/O, o que sou com muito orgulho. Tire seu preconceito do caminho, que vamos passar com a nossa cultura e não vamos tolerar atitudes machistas e xenofóbicas de lugar algum”, disse a advogada.

Mais tarde, a viúva de Marcos Paulo (1951-2012) resolveu gravar um vídeo para se pronunciar e responder Juliette. Fontenelle não se desculpou, muito menos acredita que teve um posicionamento xenofóbico para com os paraibanos, além de acusar a paraibana de estar envolvida com o que ela chama de “máfia digital”:

“O que eu esperava da Juliette é que ela viesse nas suas redes e falasse, assim como ela me acusou de um crime racial gravíssimo, da atitude do conterrâneo paraibano dela. Paraibano, não paraíba. Eu errei por duas letras. Você viu os vídeos, Juliette? Ela apanhando que nem um bicho?”, disse irritada.

“Esperava você, como mulher, que você criticasse esse rapaz em vez de escrever umas três linhas no Twitter falando que abomina a violência contra a mulher. Eu, como nordestina que sou, não ia deixar você sem resposta”, reclamou ainda Fontenelle, que continuou:

“O certo mesmo, como mulher, é que você viesse criticar a atitude desse macho agressor de mulher. Mas não. O que você fez? Se juntou com essa gente que te elegeu e veio atacar uma outra mulher com palavras disfarçadas porque é assim que vocês funcionam. Você foi covarde na sua atitude, irresponsável de me acusar de um crime tão grave como xenofobia”.

A influenciadora digital ainda acusou Juliette de ter abafado o caso do DJ Ivis, ao acusá-la de preconceito contra os paraibanos: “Ajudou que as pessoas esqueçam o que seu conterrâneo fez com a mulher dele, para jogar as atenções dele para cima de mim. Você e essa máfia digital que te convém. Você é massa de manobra, não sabe nada da minha vida. Sabe há quantos anos moro no Rio? Há 30 anos”, relatou.

“Cheguei aqui com 18 anos. Sabe quantas vezes fui chamada de Paraíba só porque sou do sertão do Piauí? Nem por isso vou me vitimizar. Você tá pensando o que? Que sou a Val Marchiori que vai te chamar pra tomar champanhe? Tirou as atenções de um agressor pra se voltar contra contra mim”.

Fontenelle estava se referindo ao caso de agressão física por parte do DJ Ivis que teve vídeos da violência exposta pela ex-mulher, Pamella Holanda. Ela sofreu as agressões em frente à filha Mel, de 9 meses. O cantor já perdeu contratos de trabalho e deixou de ser seguido por diversos famosos.

Ele entrou com pedido na Justiça para que a ex apagasse o material que o expôs, afirmando que toda essa situação está afetando a carreira dele. Anteriormente, ele pediu para que sites de fofoca retirassem as matérias sobre o caso, mas foi negado.

Não é a primeira vez que Antônia Fontenelle é acusada de xenofobia. A atriz Giselle Itié a processou em três processos diferentes, dois criminais e um cível, após a apresentadora falar que a atriz deveria voltar para o país dela: “Volta pro teu país, é o melhor que você faz”, em referência a nacionalidade de Giselle, que nasceu no México, mas foi erradicada no Brasil aos 4 anos.

A fala foi dita após Giselle apoiar Dani Calabresa no caso de assédio sexual sofrido pela comediante por Marcius Melhem, antigo diretor de humor da Globo. Itiê alegou ter sofrido assédio de um diretor de novela em que ela era a protagonista quando tinha 23 anos.

Ela não citou nomes, mas na época, em 2004 o direto era Marcos Paulo, ator e diretor da Globo que já faleceu e foi casado com Fontenelle de 2008 até a data da morte. O juiz responsável pelo caso, decidiu por arquivar os processos e a apresentadora comemorou nas redes sociais.

Tem alguma foto? print? vídeo? ou áudio de alguma fofoca? envie um e-mail para contato@portalemoff.com.br sua identidade será mantida no mais absoluto sigilo