Fechar
Vixi!

Após ofensas, Sikêra Jr. faz acordo para ‘fugir’ de Xuxa nos tribunais

O jornalista da RedeTV! foi condenado a pagar R$ 300 mil à apresentadora após ofensas

Lucas CardosoRepórter do EM OFF

O embate entre a apresentadora Xuxa Meneghel e o apresentador Sikêra Jr. nos tribunais parece estar longe de ter um fim. Segundo informações apuradas pela coluna de Léo Dias, Sikêra Jr. fez um acordo com o Ministério Público do Estado do Amazonas para evitar que seja processado criminalmente pela Rainha dos Baixinhos.

No entanto, segundo os advogados da apresentadora, o processo civil movido contra o apresentador do Alerta Nacional, que foi condenado a pagar R$300 mil à Xuxa, prossegue em curso. Caso o acordo de Sikêra Jr. com o Ministério Público seja concretizado, o apresentador ficará impedido por cinco anos de proferir ofensas e fazer um novo acordo com o Ministério Público.

A Briga

O embate judicial entre Xuxa Meneghel e Sikêra Jr. começou no ano passado, após a apresentadora acusar o apresentador de apologia à zoofilia, por ter mostrado em seu programa Alerta Nacional, da Rede TV, um homem estuprando uma égua. No entanto, o apresentador, que não tem papas na língua, rebateu as acusações da apresentadora a chamando de pedófila, por ter atuado com uma criança no filme Amor Estranho Amor em 1982.

Além disso, o apresentador acusou Xuxa de fazer apologia às drogas, após a loira revelar em uma entrevista que sua mãe Alda Meneghel, fez uso medicinal de maconha contra uma doença degenerativa que ela estava tratando. Indignada com as calúnias, Xuxa moveu um processo civil contra Sikêra Jr, além de pedir a cassação do título de jornalista do mesmo.

Continua após a publicidade

Em março deste ano, a juíza Ana Cristina Ribeiro Bonchristiano, da 3º Vara Cível de Osasco, em São Paulo, julgou procedente o pedido da apresentadora e não poupou críticas ao apresentador e à Rede TV. “Destacam-se, ainda, as críticas a esse tipo de jornalismo, de desprestígio à pessoa em detrimento da análise argumentativa de suas ideias, em programas muito mais de entretenimento do que informativo, camuflando-se ofensas desmedidas na narrativa jocosa, iniciou a juíza.

“Os apresentadores desses programas, com a bênção e o incentivo de suas empresas, como a ora corré [Rede TV!], tudo fazem, sem o menor critério, inclusive levar ao ar ameaças de morte contra pessoas públicas, honestas e trabalhadoras, achincalham a vida privada e a família dessas pessoas, apenas para alavancar a audiência de seus programas televisivos.

“Postam-se acima do bem e do mal e, sem refletir ou ponderar sobre o que dizem e nas consequências de seus atos, estão sempre prontos a atacar, com suas línguas ferinas, o cidadão honesto e o desonesto, colocando a todos no mesmo patamar, sem o mínimo respeito à honra e à dignidade humanas”, concluiu Ana Cristina.