No Twitter

Ellen Jabour reclama de ‘tom político’ em show e é massacrada: ‘Burra’

A famosa reclamou do "tom político" presente em show do Rage Against the Machine e Roger Waters e foi massacrada

Danilo Reenlsober
Repórter do EM OFF

A modelo e apresentadora Ellen Jabour foi alvo de uma série de comentários maldosos nas redes sociais na madrugada desta segunda-feira (18) após compartilhar uma notícia em seu perfil no Twitter sobre a banda norte-americana Rage Against the Machine reclamando do “tom político” nas apresentações musicais. Nas respostas, ela foi chamada de burra.

A famosa compartilhou uma reportagem da revista The Rolling Stone, com o título: “Rage Against the Machine: Fãs ficam chocados ao descobrirem que a banda fala de política”. O texto do site aponta que, após show de retorno da banda formada em 1991 em Los Angeles, Califórnia (EUA), diversos fãs afirmaram que os músicos “eram melhores quando deixavam a política de fora”.

Ellen Jabour pareceu concordar com tais “fãs” ao comentar a publicação. “Não gosto de shows que falam sobre política. Transformam um momento que era pra ser de unificação, em segregação. O clima fica péssimo pois as pessoas pensam diferente umas das outras e começam a se estranhar, e até mesmo a se agredir!”, escreveu em seu Twitter. “Vivi isso no show do Roger Waters e foi uó”, reclamou a modelo.

Foi o suficiente para a postagem viralizar na plataforma e a apresentadora receber uma série de respostas, algumas até mesmo ofensivas. “Saudade da época em que a galera tinha vergonha de ser burra em público. Dica do dia é: se você gosta de bandas que cantam em inglês e não sabe falar ou entender o idioma, pesquise antes pra não passar esse tipo de vergonha. Não deixem as pessoas terem certeza da sua burrice”, escreveu o perfil “O Psicólogo Bruno”.

“Pensando no cara que sai de casa achando que a banda chamada ÓDIO CONTRA O SISTEMA é de um grupo de programadores de detesta o Windows sabe”, respondeu o jornalista William de Lucca. “Problema de gente alienada é isso. Se preocupa mais com climinha paz e amor fake e posar de cool em show caro do que com a mensagem que os próprios artistas passam”, ironizou o perfil “Debra”.

“Ah Minha filha pelo amor de Deus, sente com calma ai, respire fundo e preste atenção na letra da música da Banda”, escreveu a atleta Joanna Maranhão. “Eu não sei vocês, mas eu acho muito divertido quando gente rica e branca é burra desse jeito publicamente!”, ironizou Fernando L’Ouverture. “Minha senhora, dá próxima vez que for a um show se informe sobre o artista”, explicou Daniel Tourinho a Ellen Jabour.

De acordo com a reportagem da The Rolling Stone publicada no dia 12 de julho, após o show de retorno do Rage Against the Machine realizado no dia 9, em Wisconsin, Estados Unidos, fãs passaram a criticar a banda pelas mensagens relacionadas ao fim da lei Roe v. Wade, que garantia o direito ao aborto no país, exibidas no telão. No texto dizia:

“(…) Nascimento forçado em um país onde a mortalidade materna é duas a três vezes maior para mulheres negras do que para as brancas. Nascimento forçado em um país onde a violência armada é a principal causa de morte entre crianças e adolescentes. Abortem a Suprema Corte”, disse a banda. Fãs incomodados com a mensagem foram ao Twitter criticar o grupo. “Não há nada pior do que pagar para assistir a um show e receber uma aula sobre as crenças políticas da banda.”