Fechar

EXCLUSIVO Aline Vargas dispara sobre Samantha Schmütz: ‘Feminista de Taubaté’

Aline Vargas, assediada por produtores da Globo, pediu ajuda para a atriz Samantha Schmütz e não teve sucesso

Adriel MarquesRepórter do EM OFF

Nesta segunda-feira (21), o jornalista Erlan Bastos conversou com Aline Vargas, a universitária que foi assediada sexualmente por produtores do Big Brother Brasil, o reality de confinamento na Globo com anônimos e famosos em busca de um prêmio milionário.

O EM OFF trouxe a notícia sobre o caso de assédio exibido no Balanço Geral Manhã, jornalístico da Record. Em troca de uma vaga na atração, os produtores da Globo solicitavam fotos nuas da moça e até beijos.

Aline Vargas afirmou, em entrevista para a emissora, que os produtores do canal concorrente prometeram ajudá-la a entrar no Big Brother Brasil 22, entretanto, por trás do convite existia uma espécie de proposta íntima.

Aline Vargas participou das seletivas do Big Brother Brasil 21, porém, não conseguiu avançar nas seletivas do programa. Os produtores da Globo procuraram a universitária por meio de mensagens privadas no Instagram.

Continua após a publicidade

Em entrevista para Erlan Bastos, Aline Vargas revelou que procurou famosos em busca de ajuda para repercutir e não conseguiu sucesso. Uma das artistas que solicitou o favor foi Samantha Schmütz, que supostamente teria negado ajudar.

“Não deu certo, nada certo. Ela recusou ajuda e mandou eu ir resolver na Justiça sendo que um dia antes ela estava na GNT militando, falando que a pessoa possui a obrigação de votar e precisa escolher direita ou esquerda. Sobre o Luciano [Huck], que ele não poderia ter votado nulo”, criticou Aline.

Então ela fala da militância que temos que abraçar todas as causas, que os artistas precisam abraçar… mas com a Samantha eu vejo que elas [famosas] abraçam a causa não é pela causa ou pelo amor, é pelo poder e dinheiro”, disparou Aline Vargas em tom de revolta.

Anitta, Preta Gil e Claudia Leitte também foram citadas na entrevista pela universitária: “Eu te pergunto, na Parada [do Orgulho LGBT] deste ano você viu Preta Gil ou Claudia Leitte? Você viu a Anitta? Agenda na pandemia? Não, não foi isso. É o que dinheiro acabou então o amor pela causa acabou. Por que não foi lá com todos os cuidados devido a pandemia fazer show? Militante de Taubaté todas”.

Segundo Aline Vargas, outra jornalista e também política não ajudou na divulgação do caso de assédio: ”Eu tenho certeza que é por like, audiência e dinheiro. Elas não militam por causa, não militam! Muito menos por amor, entendeu? É por poder, dinheiro e mídia. Não é só ela que silenciou, você tem noção que Manuela d’Ávila me negou voz?”

A reprodução deste conteúdo parcial ou total é autorizada em veículos de comunicação e/ou perfis em redes sociais, desde que, sejam dados os devidos créditos. Caso contrário o infrator será penalizado nos termos da lei.