Muito diferente

Filho de Ronaldo ataca de DJ e diz que futebol era enfiado ‘goela abaixo’

Ronald não seguiu os passos do pai e resolveu ser feliz se aventurando na música eletrônica e agora no funk

Aline Torres
Repórter do EM OFF

Ronald Nazário de Lima não costuma ser uma pessoa que aparece na mídia com frequência. Um homem discreto, mas que anda pelas noites, de festa em festa, fazendo o que mais gosta: comandar as pick-ups como DJ. Diferente do pai e da mãe, o músico partiu para uma área totalmente diferente e não esconde que o futebol nunca lhe encheu os olhos.

Em entrevista para o Gshow, o DJ contou que a pressão foi grande, mas que resistiu e decidiu seguir seu coração, na esperança de ser feliz fazendo o que gosta. E conseguiu. Filho de Ronaldo Fenômeno, considerado um dos maiores craques do futebol de todos os tempos e Milene Domingues, a “Rainha das embaixadinhas”, Ronald contou como foi se desvencilhar da imagem do esporte que levou os pais à fama.

Aos anos, Ronald revelou que teve de ser criado no meio futebolístico e isso pode ter ocasionado um esgotamento mental do esporte: “Lá atrás, quando era criança, tinha um contato diário com o futebol que era enfiado goela abaixo. Acredito que isso saturou um pouquinho. Não acompanho futebol, não tenho uma torcida do coração. Para falar a verdade, entendo muito pouco sobre esse esporte”, começou.

O DJ ainda disse querer criar sua própria história, sem ficar na sombra dos pais: “Um dos grandes motivos que me fez ir à música, na direção completamente oposta a qualquer coisa relacionada ao esporte, foi por querer criar minha própria jornada, não ter nenhum tipo de comparativo [com meus pais]. Tenho certeza que se tivesse ido para o futebol, seria uma cobrança imensurável”, declarou.

Ronald acabou de fechar um contrato de cinco anos com a gravadora GR6, responsável por levar ao estrelato grandes nomes do funk. O DJ lançou uma parceria ao lado de MC Don Juan, que estourou no TikTok recentemente com o sucesso “Eu Vou Com Carinho, Ela Quer Com Força”. Ronald lançou uma versão remixada do sucesso musical no dia 21 de junho:

“Concordamos que um remix seria o melhor dos mundos, porque eu estava chegando com o eletrônico que é minha base musical e juntando com a GR6, que já domina tudo relacionado ao funk, não só no Brasil, mas no mundo também”, disse sobre a nova fase profissional que está vivendo, deixando-se levar pelo ritmo popular brasileiro.

“Hoje em dia dou muito valor à experiência de pista que tenho. Já perdi as contas de quantas festas, eventos, buffet e casamentos já toquei. Minha carreira não começou indo para a balada. Acho que a facilidade que tenho de conversar, me soltar, vem desses dez anos na música”, contou ainda, relembrando como foi crescer no meio da música.

Ronald finalizou admitindo qual seria o famoso com quem gostaria de fazer um feat: “O Alok é uma referência tanto profissional quanto pessoal. Tive o prazer de conhecê-lo em 2016 e, com certeza, é um cara que eu quero trabalhar lado a lado, fazer uma colaboração, um feat, de fato seria um marco na minha carreira. Vamos trabalhar para, quem sabe um dia, essa parceria acontecer”, completou.