Desabafou

Juliano Cazarré abre o coração e fala sobre saúde da filha: ‘Milagre’

Ator de Pantanal desabafou sobre o estado de saúde da sua filha mais nova, Maria Guilhermina

Danilo Reenlsober
Repórter do EM OFF

O ator Juliano Cazarré, que vive o peão Alcides na novela “Pantanal”, concedeu uma entrevista ao jornalista Pedro Bial e desabafou sobre o estado de saúde da sua filha mais nova, Maria Guilhermina, que tem Anomalia de Ebstein, uma cardiopatia congênita rara. “Ela é um milagre”, afirmou o artista durante o programa “Conversa com Bial” desta sexta-feira (22).

O ator afirmou na entrevista que a filha foi muito aguardada e que a doença foi descoberta ainda durante a gravidez de Letícia Cazarré, esposa do artista. Além da caçula, Juliano é pai de mais quatro crianças: Vicente, Inácio, Gaspar e Maria Madalena, todos frutos do seu casamento com Letícia. O parto de Maria Guilhermina teve de ser adiantado para que ela pudesse fazer uma cirurgia para atenuar o problema.

“Maria Guilhermina foi muito aguardada. Foi uma festa minha e da Letícia quando a gente soube que vinha a nossa segunda menininha. A casa ia ficar com três meninos e duas meninas, uma alegria só. E aí com 24 semanas a gente soube que ela ia ter essa anomalia no coração. Uma anomalia congênita chamada Anomalia de Ebstein”, explicou o ator de “Pantanal”.

“A Letícia marcou um exame e finalmente falaram o que a gente mais temia e disseram que ela estava correndo mais risco dentro da barriga do que aqui fora. Ela tem que nascer na hora. A gente marcou o parto para o dia seguinte e ela nasceu bem. Se a gente não soubesse, nós iríamos pegar, levar para casa e ela poderia morrer em poucas horas”, confessou Juliano.

A cirurgia de Maria Guilhermina foi considerada um sucesso. Ela recebeu alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na semana passada. “Ela é um milagre Bial. Ela tinha quase 100% de chance de óbito. Eu fiquei até com um pouco de vergonha de ser ator depois do que eu vi eles [médicos] fazendo com a minha filha. Isso que é profissão, não é brincadeira”, disse Juliano Cazarré.

Maria Guilhermina nasceu no dia 21 de junho, em São Paulo. A Anomalia de Ebstein, doença que afetava a criança, causa aumento do átrio levando a insuficiência cardíaca congestiva e fluxo insuficiente de sangue vermelho para o corpo. Assim que deixou a barriga da mamãe, a recém-nascida fez uma cirurgia para reparar o coração.