Fechar
ENTREVISTA

Juliette Freire fala sobre trabalho árduo em disco: ‘Cheguei a chorar’

Paraibana falou sobre a gravação do seu primeiro EP e sobre o apoio que recebeu de Anitta

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

Juliette Freire é um fenômeno. Antes mesmo da chegada do seu EP homônimo, a advogada e agora cantora já quebrava recordes ao alcançar mais de 600 mil pré-saves no Spotify. Poucas horas após o lançamento, na noite desta quinta-feira (02), duas canções da paraibana já figuravam entre as músicas mais ouvidas da plataforma no Brasil.

Apesar de todo o sucesso, a vencedora do BBB21 afirmou em entrevista ao jornal carioca Extra que o trabalho de gravação do seu primeiro álbum foi intenso. Mesmo sem assinar nenhuma das seis faixas, a paraibana afirmou que teve participação direta em praticamente todo o processo criativo do EP e que, em breve, quer fazer suas próprias composições.

Um dos principais nomes responsáveis pelo sucesso de Juliette Freire logo em sua estreia é Anitta (creditada no álbum com seu nome de batismo, Larissa de Macedo Machado), que atuou como diretora artística e musical no EP. Ao jornal, a ex-sister afirmou que recebeu muita ajuda da funkeira, principalmente nos momentos mais complicados no trabalho.

Se eu passasse seis, oito horas no estúdio, ela estava me ajudando, letra por letra, dando dica em tudo. Cheguei a chorar dizendo a ela que eu não conseguia, e Anitta ficava no telefone falando ‘tenha calma, comigo é assim também’. Quando ela estava gravando fora do país, me ligava para mostrar o processo dela, que também sofria e repetia mil vezes, mesmo depois de tantos anos de carreira“.

Continua após a publicidade

Além de Anitta, Juliette teve um time talentoso de compositores e produtores que a auxiliaram na sua estreia na música. Shylton Fernandes (de “Eu quero tchu, eu quero tcha”, de João Lucas & Marcelo, e “Recairei”, d’Os Barões da Pisadinha), Diego Barão (“Morena”, de Luan Santana), e a dupla Umberto Tavares e Jefferson Júnior (de sucessos de Ludmilla, Alcione, Anitta e Michel Teló), são algun nomes. O produtor Rafinha RSQ, um dos grandes nomes do pop nacional, assina as faixas “Sei lá” e “Diferença mara”.

O forró é o fio condutor do álbum, que traz elementos do reggae e do pop para a música tradicional brasileira. Essa mistura, segundo Juliette trouxe até “dificuldades” para a equipe. “A gente teve até uma discussão quando fomos registrar o gênero musical do EP, se era forró, MPB… Para mim, é MPB, porque a música popular abarca todas as regiões. Tem coisa mais popular que o forró?“.

Ontem a noite, logo após o lançamento do EP, a ex-sister do BBB21 comemorou a conquista nas redes sociais. “Saiu! Não consigo explicar tudo que estou sentindo. Frio na barriga, felicidade, euforia, medo, paz e gratidão. Pela música, pela vida e por vocês“, disse. “Esses são apenas os primeiros passos dessa nova trajetória e o meu único pedido é que essas músicas toquem vocês como fazem comigo“, completou.

Fãs famosos e anônimos elogiaram a produção. “É o começo de uma linda história. Sucesso e boa sorte em tudo que vier. Eita, vixe que gostoso“, comentou a cantora Márcia Fellipe, ex-participante do “Power Couple Brasil”. “Juliette fico feliz demais por ver você conquistando tantas coisas assim, parabéns pelo trabalho. É só o começo“, escreveu o internauta Lucas Rocha.

Tem alguma foto? print? vídeo? ou áudio de alguma fofoca? envie um e-mail para contato@portalemoff.com.br sua identidade será mantida no mais absoluto sigilo