Fechar
BRIGA JUDICIAL

Justiça bloqueia arrecadações de shows de Belo por dívida com Denilson

Pagodeiro tem uma dívida de mais de R$ 5 milhões com o ex-jogador de futebol e comentarista da Band

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

A briga judicial envolvendo o cantor Belo e o ex-jogador e comentarista Denilson ganhou mais um capítulo. A Justiça de São Paulo bloqueou as arrecadações de dois shows realizados pelo pagodeiro no Dia dos Namorados devido a uma dívida de mais de R$ 5 milhões que o famoso tem o atleta e contratado da Band.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, um documento processual do TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo), datado do dia 17 de junho, diz que os valores obtidos com a venda de ingresos desses shows deveriam ser repassados a Denilson como forma de pagamento da dívida.

Cabe o cumprimento da determinação judicial no sentido de promover a transferência dos valores obtidos com a venda dos ingressos referentes a apresentação Belo in Concert no prazo improrrogável de cinco dias“, aponta um trecho do documento.

A briga judicial entre oo pagodeiro e o ex-jogador se arrasta a cerca de 20 anos. No começo dos anos 2000, Denilson comprou os direitos da banda Soweto e Belo, o então vocalista, pediu para sair do grupo. O cantor foi processado pelo atleta, que alegou danos morais.

Continua após a publicidade

Em dezembro de 2019, Denilson entrou na Justiça de São Paulo para que a renda do cantor em plataformas musicais fosse bloqueada. A causa está ganha e não cabem mais recursos. “A Justiça já me deu causa ganha, agora está nas mãos dele, em poder me pagar ou não”, disse em entrevista ao TV Fama na época. Procurado pela Folha de S. Paulo, Belo não se pronunciou.

Em fevereiro desse ano, Belo foi preso depois de fazer um show em uma escola pública no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro, em plena pandemia de Covid-19.

A apresentação começou na noite do dia 12 e se estendeu até a manhã do dia seguinte, dentro do Ciep (Centro Integrado de Educação Pública) Professor César Pernetta, e não teve autorização da Secretaria de Estado de Educação.