Fechar
CASO BRUNA

Mestre em linguagem corporal analisa vídeo de Luísa Mell: ‘Nenhuma empatia’

Thiago Luigi, especialista em comportamento não verbal, analisou o vídeo publicado pela apresentadora e ativista

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

A apresentadora e ativista Luísa Mell foi às redes sociais no fim de semana para se pronunciar a respeito do acidente causado por ela que deixou Bruna Viana, na época com 17 anos, em estado vegetativo. No vídeo, ela se defende e diz que ajuda financeiramente a família todos os anos, o que foi desmentido por Francisco Viana, pai da vítima. Na série de stories, no entanto, a ativista pode ter faltado com a verdade.

O apontamento foi feito por Thiago Luigi, especialista em comportamento não verbal e um dos principais especialistas na área de microexpressões faciais e linguagem corporal do Brasil. Ele já atuou como como treinador para o GATE/PMESP, COE, BOPE e outras instituições das Policias Civil e Militar, além de participar de diversos programas de tevê, como o Domingo Espetacular.

Thiago Luigi foi também professor de Vitor Santos, do canal Metaforando, conhecido como o maior canal de linguagem corporal do mundo. O especialista renomado analisou os vídeos publicados por Luísa Mell em sua rede social e apontou uma série de inconsistências, além de ressaltar a total falta de envolvimento emocional da apresentadora com Bruna e sua família.

Na sua análise, Thiago Luigi ressalta que não está de nenhum lado da história e que realizou o estudo comportamental de Luísa Mell apenas com o objetivo didático e sempre embasado na ciência. Logo no começo, ele aponta para as inconsistências verbais apresentadas pela apresentadora no decorrer dos stories. “Essas inconsistências começam de forma amena, depois, são maximizadas de acordo com os fatos que ela está narrando“, diz.

Continua após a publicidade

“Por exemplo, ela diz ‘não queria estar aqui’, mas ela tá fazendo o vídeo. Ela diz sem envolvimento emocional nenhum, sem sincronia nenhuma”, ressalta. Ao dizer que sente uma “tortura psicológica”, Luísa Mell transparece um comportamento verdadeiro, segundo Thiago. “Realmente, ela sente essa tortura psicológica, mas isso é algo subjetivo, então, o que é uma tortura psicológica pra ela pode não ser pra outra pessoa“.

Durante a série de vídeos postados por Luísa no Instagram, ela apresenta uma transição de comportamento que foi detectada pelo especialista. “Quando ela começa a falar da tal história do instituto, tem uma transição no comportamento bem interessante. O fato dela enfatizar, mudando toda a sua linha de base pra algo que não seja a pauta principal do contexto, é uma tentativa de mudança de foco do tópico principal“, explica.

A pessoa tenta ‘superenfatizar’, por meio de gestos ilustradores, mais convicção na voz, num tom bem sadônico, algo que ela tem confiança, que é verdadeiro, para ganhar mais confiança e, assim, ofuscar, tirar o foco, daquilo que realmente é investigado“, aponta Thiago, que já atuou em parceria com órgãos de Segurança Pública Nacional, como o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à pessoa).

Ele explica na gravação como analisar essa mudança e o que isso pode significar dentro do contexto estudado: “Você tem que analisar isso [a mudança de comportamento] em contraste com outros momentos do mesmo trecho. Normalmente, isso precede o comportamento que a gente chama de meia-verdade, onde a pessoa coloca algo que é verdadeiro dentro de uma mentira para ganhar credibilidade“.

Acidente

Segundo Thiago Luigi, ao falar do acidente, a ativista mostra o livro biográfico como um “fato verificável”, ou seja, como uma prova de que está falando a verdade. “Não que essa ‘prova’ seja verdadeira, porque ela pode escrever qualquer coisa, mas ela tentou aludir isso“. O especialista chama a atenção para a falta e emoção na fala e no comportamento de Luísa Mell. “Quando você relata algo que foi doloroso para você, o mínimo que se espera é uma emoção que confirme isso. A ausência de uma emoção apropriada é um sinal importantíssimo“.

O especialista ressalta, ainda, que Luísa Mell passa com muita rapidez pelo assunto da ajuda à família de Bruna. “Vocês viram como ela passa rápido por esse tópico? Se em alguma conversa, entrevista ou interrogatório vocês perceberem que a pessoa ela passa rápido por pontos que poderiam ser favoráveis à causa dela, tomem cuidado e investiguem mais, tem mais coisas nessas entrelinhas“.

Em seguida, o especialista aponta para o que julga ser a parte mais importante do vídeo, quando a ativista fala que deu dinheiro à família. Nesse momento, Thiago ressalta uma mudança na cadência das palavras: “Essa queda brusca na parte paralinguística na fala dela, ela sai rapidamente do padrão vocal, depois ela volta. Geralmente, as pessoas que faltam com a verdade, elas tendem a supercontrolar a laringe devido justamente a esse feedback interno, para mostrar mais convicção quando ela não tem”.

Ele vai além: “Ela fala isso sem satisfação nenhuma, muito pelo contrário, é só vocês repararem na expressão dela”, disse. “Resumindo: na forma comportamental, não teve nenhum indício de emoção projetada à pessoa que foi acidentada, você não vê nenhuma preocupação, nenhum remorso, ela mostrou convicção quando disse que ajudou, mas o que não bateu foi tanto o valor e, o mais gritante de tudo, o tempo que ela ajudou“.

Defesa de Luísa Mell

A apresentadora postou uma série de stories no fim de semana e falou sobre o assunto do acidente. “Não queria estar aqui, porque ainda não estou totalmente recuperada, nem física, nem emocionalmente. Vocês não sabem a metade do que eu tenho passado, mas depois de todo tipo de chantagem, ameaça, tortura psicológica, eu não cedi. Estou lutando. E começou um plano orquestrado para me destruir, conforme as ameaças diziam. Eu posso provar. É pra destruir meu instituto, minha carreira, me desestabilizar. Estou aqui para esclarecer umas coisas“, disparou Luísa Mell.

O ex-marido de Luísa Mell, Gilberto Zaborowsky, também é citado de forma indireta durante o discurso: “Começaram a inventar outras coisas, todo dia uma notícia mais absurda do que a outra. E essa pessoa que orquestra conhece bem minhas dores, o que é mais assustador ainda, imaginar que uma pessoa é capaz disso. Estou falando do acidente que eu tive, que eu não escondi. Na minha biografia tem um capítulo que eu acho que foi o mais doloroso, onde eu relato tudo o que aconteceu, o quanto isso foi terrível pra mim, o quanto eu ajudei por algum tempo fora na Justiça“.

Luísa Mell relatou que auxiliou a família de Bruna da Silva Viana financeiramente: “Depois, na Justiça, eu paguei tudo o que eu devia. Mesmo depois do acordo na Justiça, onde eu não devo mais nada, não teve um ano que eu não doei dinheiro pra essa família. No total, eu doei mais de R$ 200 mil. Então, é profundamente injusto e calunioso, é com o único intuito de me destruir. E eu posso, sim, provar todas as doações que eu fiz, tanto em juízo, quanto fora do juízo“.