Fechar
FAKE NEWS

Perfis de fofoca embarcam em teoria da conspiração do ‘pai’ do ET Bilú

Páginas do Instagram têm divulgado fake news envolvendo a suposta cidade de Ratanabá, “criada” por Urandir Fernandes de Oliveira

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

Um “fenômeno” tem se tornado comum nas redes sociais em anos eleitorais: páginas e perfis de fofoca em plataformas como Instagram, Twitter, Facebook e TikTok mudam sorrateiramente os assuntos tratados, passando de matérias de celebridades para notícias de cunho político, muitas vezes envolvendo até mesmo fake news e teorias da conspiração. Tudo para ganhar engajamento na internet.

Foi o que aconteceu nessa semana com alguns perfis de fofoca no Instagram e no Twitter, como o “Subcelebrities”, que tem 4 milhões de seguidores, e o “Choquei”, com mais de 17 milhões no Instagram e mais 1,4 milhão no Twitter. Ambas publicaram nesta sexta-feira (10), reportagens envolvendo uma suposta civilização perdida que teria sido encontrada “soterrada” na Amazônia por “cientistas”: Ratanabá.

Os boatos envolvendo essa cidade escondida em meio à Floresta Amazônica começaram a ganhar destaque no dia 1 de junho, depois da publicação de uma reportagem no site Dakila Pesquisas. De acordo com a publicação, pesquisadores “sobrevoaram na manhã de terça (31/05) e quarta-feira (01/06) a floresta amazônica a fim de mapear as áreas onde se encontra Ratanabá”.

Mas afinal, o que existe de verdadeiro envolvendo essa tal “cidade perdida” escondida na floresta? Provavelmente, nada. Segundo a Dakila Pesquisas, “a cidade perdida de Ratanabá encontra [sic] soterrada na Amazônia brasileira, com algumas ramificações por toda a América do Sul”. Segundo o site, Ratanabá foi a “capital do mundo há mais de 450 milhões de anos”.

Continua após a publicidade

“Trata-se de um verdadeiro império que foi submerso pela lama e tomado pela floresta. Foi fundado pelos Muril, primeira civilização da Terra, e possui monumentos bem preservados, alguns em formato piramidal, além de galerias subterrâneas ligando a outros países”, afirma Urandir Fernandes de Oliveira, presidente da Dakila Pesquisas.

Isso tudo, no entanto, não passa de teoria da conspiração sem nenhum fundamento teórico. Não existe nenhuma comprovação científica de que o povo Muril realmente tenha existido. Os teóricos da conspiração, como Urandir, acreditam que os Muril sejam um povo alienígena, que povoaram a Terra num passado remoto e construíram edificações subterrâneas ao redor do planeta.

Além disso, os dados oferecidos por Urandir não batem com os números mais aceitos pela comunidade científica mundial. A ciência diz que há cerca de 200 milhões de anos, a Terra era dominada pelos dinossauros, extintos a 65 milhões de anos. Assim, os primeiros hominídeos começaram a andar pelo planeta a “apenas” 2,4 e 1,5 milhões de anos. Não existe nenhum resquício de qualquer civilização anterior a isso.

Quem é Urandir?

Urandir Fernandes de Oliveira não goza de muito prestígio na comunidade científica. Em 2010, ele ganhou fama após aparecer em alguns canais de televisão, como Band e Record, ao afirmar ter tido um encontro com um suposto extraterrestre. Na época, Danilo Gentili, então repórter do CQC (Custe o Que Custar), da Band, visitou o tal local da aparição.

O humorista foi até a cidade de Corguinho, no Mato Grosso do Sul, e se embrenhou na mata para encontrar o alienígena. Foi na ocasião que o Brasil foi apresentado ao ET Bilú, um suposto alien que virou motivo de piada nas redes sociais. Sem se mostrar de maneira clara, o extraterrestre disse que os humanos são “descendentes” dos alienígenas.

No ano seguinte, a Record TV também fez uma reportagem com o suposto ET de Urandir. Durante toda a gravação da reportagem, não foi permitido que qualquer tipo de iluminação fosse ligada. Mesmo assim, as câmeras flagraram uma figura que mais parecia um homem vestido com uma máscara. Na reportagem, o ET Bilú aproveitou para mandar um “recado” aos humanos: “Busquem conhecimento”.

Publicação do Choquei no Instagram (Reprodução)
Publicação do Subcelebrities (Reprodução)