Fechar
Como assim?

Rainha de bateria que quer desbancar Lexa é funcionária fantasma

Thaianna Cristina seria funcionária fantasma da Secretaria de Estado da Casa Civil do Rio de Janeiro

Aline TorresRepórter do EM OFF

O passado e o presente de Thaianna Cristina, que se auto intitula Thay Magalhães, estão vindo à tona e mostram que a moça está envolta em muitas polêmicas. Após a rixa da sambista com Lexa para ocupar o lugar da funkeira de rainha da bateria da escola de samba Paraíso do Tuiuti, um novo fato chama a atenção.

Com um novo desdobramento sobre as polêmicas que rondam a moça, a coluna de Leo Dias do portal Metrópoles descobriu que ela é funcionária na Secretaria de Estado da Casa Civil do Rio de Janeiro, mas que não aparece para o serviço. Através com o Portal Transparência, o nome da aspirante a subcelebridade está como servidora.

A auto intitulada Thay Magalhães também já se chamou Dra. Thay e foi com esse nome que se candidatou à prefeitura de Mesquita, na região metropolitana da capital carioca e perdeu. Segundo o Portal da Transparência, ela ganha um salário de R$ 8 mil, mesmo não dando as caras no trabalho da Secretaria.

No entanto, Thaianna recebia um valor em torno de R$ 15 mil como funcionária comissionada da Câmara dos Deputados até junho de 2020. Ela tinha o cargo de secretária parlamentar do deputador federal Márcio Labre (PSL/RJ). Ela decidiu sair desse cargo justamente para concorrer à Prefeitura de Mesquita.

Continua após a publicidade

Para completar, Thaianna teria pagado R$ 500 mil para a escola de samba na tentativa de desbancar Lexa. Ainda segundo Leo Dias, o presidente da Paraíso do Tuiuti, Fernando Horta, sempre gostou de vender o cargo “conquistado” por Thaianna e o valor ofertado pela suposta funcionária fantasma está muito acima do valor do mercado.

Apesar de ter “conquistado” a vaga no lugar da cantora, a rixa delas já existia de outra situação anterior, mais precisamente, durante a campanha da aspirante a subcelebridade para prefeita. O jingle que Thaianna usou para a campanha à prefeitura de de Mesquita, era uma paródia de uma música de Lexa feat. Pedro Sampaio, “Chama Ela”, no entanto, a loira não pediu autorização para fazer paródia com a melodia da canção.

A funkeira pediu que a gravadora dela contestasse o uso da música na campanha de Thaianna. O uso indevido da música violava os direitos autorais, mas mesmo assim, o jingle continuou sendo veiculado para a publicidade da campanha que a então candidata à prefeitura auto intitulou de “conservadora, cristã e patriota”. Ela decidiu remover qualquer prova de que já se envolveu com política das redes sociais, justamente para se tornar rainha de bateria.

A coluna de Leo dias entrou em contato com a Secretaria de Estado da Casa Civil do Rio de Janeiro e recebeu uma nota oficial sobre o assunto: “A funcionária Thaianna Cristina Barbosa dos Santos é assessora da Subsecretaria de Administração e vem alternando o trabalho entre presencial e homeoffice“, diz o primeiro trecho.

Com a retomada do trabalho presencial para funcionários da administração púbica que já estão imunizados contra a Covid, a pasta vai abrir um processo administrativo para avaliar as ações da funcionária durante o horário de expediente. Caso seja constatada alguma irregularidade, serão tomadas as medidas necessárias”, finaliza a nota.

Tem alguma foto? print? vídeo? ou áudio de alguma fofoca? envie um e-mail para contato@portalemoff.com.br sua identidade será mantida no mais absoluto sigilo