Fechar
Lembra deles?

Relembre ex-participantes do BBB que já foram presos

Além de Marcela Queiroz, Diego Alemão e Laércio de Moura já foram parar atrás das grades

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

Neste sábado (28), a ex-participante do BBB4 Marcela Queiroz, que ficou conhecida no programa como Mama, foi presa após ser flagrada com uma taça de vinho enquanto dirigia em um bairro de Curitiba. O caso da prisão da ex-participante do reality da Globo chamou a atenção dos fãs do programa, mas essa não é a primeira vez que um ex-BBB acaba atrás das grades.

Além de Marcela, dois outros ex-participantes do programa de confinamento foram presos: Diego Alemão, do BBB7, e Laércio de Moura, do BBB16. No caso de Alemão, vencedor do Big Brother Brasil em 2007, ele foi preso após se envolver em um acidente de trânsito. Já Laércio segue encarcerado no Paraná, condenado pelo crime de estupro de vulnerável. Relembre abaixo cada uma dessas histórias.

Marcela Queiroz

De acordo com informações do portal RicMais, a PM (Polícia Militar) do Paraná realizou uma abordagem próximo a um shopping da capital do Estado, Curitiba. A ex-sister apresentava sinais de embriaguez e teria se recusado a realizar o teste do bafômetro. Por isso, foi conduzida até a sede da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

Segundo informações da corporação, a moça se apresentou para os agentes como ex-participante do reality show da Globo. Ao UOL, a ex-BBB negou que estivesse embriagada, mas confirmou que se negou a realizar o teste do bafômetro. No entanto, Marcela disse que teria sido conduzida para a delegacia por uma outra razão:

Continua após a publicidade

Estava sem a carteira de habilitação e o documento de identidade” , disse a ex-participante do BBB4 e promotora de eventos de 43 anos. “Fui levada para a Delegacia de Trânsito apenas por um delito e fui liberada, tanto é que o veículo não foi nem apreendido“. Marcela Queiroz foi presa em flagrante por embriaguez ao volante. Segundo o delegado que estava de plantão, ela pagou fiança e foi liberada.

Diego Alemão

Outro ex-participante que também se envolveu com embriaguez ao volante foi o ex-affair de Irís Stefanelli. Diego Alemão foi preso em 18 de abril do ano passado quando, de acordo com a Polícia Civil, estava dirigindo embriagado. Além disso, o ex-brother acabou se envolvendo em um acidente de trânsito ao bater em um carro que estava estacionado.

Segundo o delegado Leonardo Bueno, o veículo danificado pertencia a um motorista de aplicativo que foi agredido pelo ex-BBB com tapas e um soco. Diego Alemão também se recusou a fazer o teste do bafômetro e teria ofendido os policiais que foram atender a ocorrência no local. “Os policiais descreveram sinais de embriaguez, como andar cambaleante e fala enrolada“, disse o delegado na época.

Alemão foi encaminhado à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). Na ocasião, a defesa de Diego Alemão disse que o caso tratava-se apenas “de um acidente de trânsito leve. Sem nenhuma vítima“. O advogado Jeffrey Chiquini, que defendeu o ex-brother, disse negou que Alemão estivesse embriagado. “Inclusive, não se negou à realização do exame do bafômetro“.

Laércio de Moura

O caso mais grave, no entanto, ocorreu em 2016. Em fevereiro daquele ano, o designer de tatuagens Laércio de Moura, então com 53 anos, foi eliminado num paredão do BBB16 em meio a denúncias de pedofilia. No programa, ele disse que costumava se envolver com mulheres mais “novas”. “Só aparecem novinhas mesmo, tipo 17, 18, 20”, afirmou.

Durante sua passagem pelo BBB, Laércio foi chamado de pedófilo pela participante Ana Paula Renault. A questão chamou a atenção das autoridades. Meses depois, o ex-brother foi preso preventivamente e condenado. Ele cumpre uma pena de 12 anos de prisão por estupro de vulnerável na Casa de Custódia de Curitiba, no Paraná.

Em 2017, Os advogados de Laércio chegaram a entrar com um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o pedido foi negado. Como estupro de vulnerável é um crime hediondo, Laércio não pode ter a pena anistiada ou receber indulto. No mesmo ano, em entrevista ao jornal carioca Extra, a mãe de Laércio, a aposentada Regina de Moura, disse que as denúncias contra o filho eram armação.