Fechar
Não Gostou

Sergio Marone se irrita com queda de projeto de lei e detona Mario Frias

Ator e apresentador não escondeu sua indignação com atitude do Secretário Especial de Cultura e solta o verbo

Bruno PintoRepórter do EM OFF

O ator e apresentador Sergio Marone ficou transtornado com as polêmicas falas de Mario Frias, colega de profissão e agora Secretário Especial da Cultura da gestão de Jair Bolsonaro. Marone não conseguiu esconder sua indignação ao ler uma postagem de Frias comemorando a queda do projeto de lei Paulo Gustavo e soltou o verbo contra o ex-ator da Rede Globo.

Nesta quarta-feira (16), Sergio Marone resolveu expor sua revolta com algumas atitudes do governo. O também apresentador não pensou duas vezes e respondeu a um comentário feito pelo Secretário Especial da Cultura. Marone não só falou o que pensava, como marcou o perfil oficial de Mario Frias na rede social Twitter em sua publicação.

A gestão polêmica de Jair Bolsonaro está sendo cada vez mais criticada por grande parte dos brasileiros e com Mario Frias não poderia ser diferente. Desde o início, Frias foi contra o projeto de lei, intitulado Paulo Gustavo, que prevê um auxílio ao setor cultural, o descrevendo como um verdadeiro absurdo.

Por meio de seu perfil oficial no Twitter, Mario Frias demonstrou ter ficado satisfeito e fez questão de tornar público o seu agradecimento ao senador que tirou o projeto de lei: “Quero agradecer o Senador @fbezerracoelho, Líder do Governo no Senado, por ter retirado de pauta o Projeto de Lei Paulo Gustavo. Este projeto é completamente absurdo!”.

Continua após a publicidade

Revoltado, Sergio Marone compartilhou um texto em forma de print pra lá de provocativo e, assim com o secretário, deixou clara sua opinião sobre o assunto. O texto compartilhado por Marone diz: “Oi, gente! Tudo bem? Vocês sabem o que é o Casinha Gamer? Eu também não! Eu só sei que ele recebeu mais de 4 MILHÕES do SEFIC e é um projeto do Jair Renan, filho mais novo do presidente”.

Além do print, Sergio questionou o secretário e falou que se não fosse seus olhos azuis, nunca teria sido ator: “Isso, deixa um monte de ex colegas seus passando fome. Entendo seu amargor por não ter seguido na carreira artística, mas entenda.. não fosse seus olhos azuis, jamais teria tido uma oportunidade na TV. @mfriasoficial e os 4 milhões na casinha do Renanzinho? Absurdo também? Explica?”.

A opinião do Marone deixou alguns admiradores do governo Bolsonaro alvoroçados. Diante dos comentários recebidos, Sergio disse: “Meus queridos bolsominions, antes de mais nada não tenho político favorito. Segundo, não estou passando fome. To muito bem, obrigado. Mas tenho muitos colegas, que como diversos trabalhadores de outros setores (que não o cultural), estão muito necessitados”.

Além de explicar as funções que estão por trás da palavra cultura, Sergio Marone finalizou seu desabafo dizendo: “Aqui no Brasil se incentiva armas, o agro pra por veneno no nosso prato, e não pode incentivar a cultura, a educação? Um país sem cultura é um país sem identidade. Beijo pra quem é de beijo e abraço pra quem é de abraço”.