Fechar
Sem fatalidades

Tentativa de assalto a jogador da Seleção Brasileira termina com 20 tiros

Emerson Royal, lateral direito da seleção brasileira, sofreu uma tentativa de assalto e por pouco não foi atingido por tiros

Aline TorresRepórter do EM OFF

O lateral direito da seleção brasileira, Emerson Royal foi vítima de uma tentativa de assalto no inicio da manhã dessa sexta-feira (03), enquanto paasa as férias na cidade de Americana, interior de São Paulo. Durante a ação dos bandidos, houve troca de tiros e ao menos 20 disparos foram ouvidos por testemunhas.

A assessoria do jogador do Tottenhan afirmou que ele estava saindo de uma festa quando foi abordado pelos bandidos. Emerson estava acompanhado de um segurança, do seu empresário, Emerson Zulu, o pai, também chamado Emerson e amigos. O segurança na verdade, não trabalhava para o jogador, mas decidiu acompanhá-lo até o carro.

“Após sair de um evento, o segurança o reconheceu, pediu para tirar fotos com ele e se disponibilizou em levá-lo até o seu carro. Foi quando Royal sofreu o assalto, com uma arma apontada, onde o bandido pediu seu relógio e outros objetos pessoais”, disse Zulu em entrevista após o susto dessa manhã.

“Quando o bandido percebeu o segurança, só nos lembramos da troca de tiros e nos esquivamos, parece que o Royal me puxou para me ajudar. Não lembro bem, foi tudo muito rápido e a adrenalina fica a mil”, completou o empresário que ainda afirmou que Royal passa bem e que está sendo acompanhado pela equipe.

Continua após a publicidade

Após a confusão, o jogador do time inglês foi até a delegacia para fazer um boletim de ocorrência e na saída falou brevemente com a imprensa que o aguardava no local: “Foi um momento complicado, mas agora eu vou descansar e depois me posiciono”, afirmou Royal que não estava em clima para entrevistas.

O pai do craque, Emerson Aparecido Leite de Souza, que também estava no local, falou sobre o ocorrido: “Estava comemorando e na saída aconteceu todo esse caso, que foi muito ruim. Uma cena de terror na verdade. Não desejo isso para ninguém. A gente não percebeu porque foi muito rápido. Provavelmente, uns 20 tiros”, disse.

Royal não foi atingido pelos disparos por pouco.  “Estava acompanhado da família dele. Estava em torno de umas cinco ou seis pessoas com ele. Cada um foi para um lado correndo, se esquivando, porque não sabia de onde estavam vindo os tiros”, completou o pai do lateral-direito da seleção brasileira.