EXPERT DO ENGAJAMENTO

Tulio Borgias é o guru das redes sociais e revela tendências na web

Saiba quais são as principais tendências nas redes sociais em 2022 e como usá-las. Dicas valiosas para melhorar o seu engajamento e as vendas

REDAÇÃO

Analisar o cenário atual, tanto da economia quanto do comportamento das pessoas online, pode ajudar a entender quais tendências são passageiras e quais vieram para ficar no que diz respeito a internet e as redes sociais. Saber o que está no hype e conseguir se aproveitar disso para ganhar relevância e destaque na internet pode fazer toda a diferença, seja você um influencer ou uma empresa.

Tulio Borgias, influenciador digital e criador de conteúdo, é um veterano da internet que há mais de 15 anos observa e participa ativamente das redes sociais. Ele aponta que além de identificar o que está em alta, é preciso saber usar as tendências a seu favor: “É importante lembrar da seguinte questão: não adianta seguir tendências se elas não conversarem com o seu público-alvo”. 

“É relevante usar o que está bombando nas redes como um veículo de estratégia que leva a sua mensagem de modo inovador. Lembre-se de que nada adianta usar o mais moderno, sem que o conteúdo tenha relação com o produto ou serviço da empresa. Logo, tudo é questão de interpretar a tendência e ver onde você se encaixa ali e como pode surfar naquela onda”, disparou Tulio Borgias.

O influenciador separou quatro entre as principais tendências da internet e das redes sociais, que estão em alta em 2022, para alavancar a sua relevância na web.

Tendência 1: Social Commerce como ferramenta nas redes sociais em 2022

O mercado pode explorar muito o Social Commerce nas redes sociais em 2022. A proposta da novidade é ampliar e vender dentro das redes sociais. Ou seja, o usuário irá conseguir comprar através de um único clique via WhatsApp, Instagram e Facebook. Essa tecnologia também é conhecida como social shopping. A criação dessa ferramenta aconteceu depois de especialistas perceberem que as vendas online cresceram consideravelmente na pandemia. Em 2020, o valor de vendas online superou mais de 475 milhões de dólares. Atualmente, o Instagram já conta com a dinâmica de vitrine, que pode ser configurada rapidamente pelo usuário.

Tendência 2: Metaverso

Sem sombra de dúvidas, essa é uma das novidades mais comentadas. O metaverso vem para mudar toda a ideia de lugar e espaço através da tecnologia 3D. Muito se fala da Meta, dona do Facebook e Instagram, que promete ser uma das maiores empresas no mercado do metaverso. Ainda há muito a se descobrir e aprender sobre a tecnologia, mas a promessa é que a forma de comunicação seja mudada. Isso tudo graças a um ambiente virtual onde os usuários terão avatares e poderão ter experiências únicas como reuniões de negócios, shows e festivais.  

Tendência 3: Vídeos curtos dentro das redes sociais em 2022

O TikTok ditou uma tendência no mundo virtual: os vídeos curtos. Com isso, o Instagram criou o famoso Reels. A verdade é que os vídeos, sobretudo os rápidos, ganharam espaço no gosto do público, principalmente do brasileiro. Essa tendência permanece nas redes sociais em 2022. A forma rápida, fácil e criativa de informar vai continuar sendo bem vista pelos usuários.

É possível que venham otimização de tempo, como por exemplo o TikTok, que aumentou o limite de tempo para 10 minutos. Esse tipo de conteúdo, além de ajudar na humanização de marca, também requer maior tempo para criação. No entanto, o investimento é bem visto pelo algoritmo das redes, que cada vez mais alavanca organicamente o formato. 

Tendência 4: Slow Content nas redes sociais em 2022

O Slow Content é uma tendência das redes sociais em 2022. É um movimento que ganhou força depois de especialistas em marketing de conteúdo perceberem a rapidez da informação. Cada vez mais, o usuário é bombardeado com milhares de informações por hora. Com isso, os usuários cada vez mais foram tendo transtorno de ansiedade. Sobretudo, uma coisa ficou para trás: a qualidade de conteúdo. 

Para frear a má qualidade e diminuir o avanço das fake news, o Slow Content prega o conteúdo longo para quem realmente está interessado. Por isso, o importante não são os números de acessos ou quantidade de visualizações, mas a qualidade da informação que foi repassada.