Fechar
O afronte da lady

VÍDEO: Gloria Groove manda recado para Bolsonaro: ‘Censura é o caralh’

A cantora soltou o verbo no presidente no palco do Lollapalooza Brasil

Vitor CaiqueRepórter do EM OFF

A cantora Gloria Gloove decidiu criticar a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que determinou a proibição de manifestações políticas durante os shows do Festival Lollapalooza Brasil. Uma das principais atrações da noite deste domingo (27), não se calou diante das ameaças e censuras contra os protestos políticos que aconteceram no decorrer dos 3 dias do evento, que é realizado em São Paulo.

Gloria subiu no palco aclamada, com milhares de pessoas curtindo e acompanhando o primeiro show da sua nova turnê, no palco do Lolla, a gloriosa não se calou e começou a discursar sobre o assunto que tomou conta das redes nas últimas horas. “Será que a gente voltou no tempo, será que realmente é isso que está acontecendo? Eles querem calar a gente, é isso? Censura em 2022 é o caralh*”, disse a cantora.

Usando um look para o show com o número 13 estampado nas costas, Gloria Groove foi reverenciada no palco e nas redes, com diversos fãs aplaudindo a artista, que é um dos maiores nomes da música brasileira atualmente. “Gloria Groove gritando Fora Bolsonaro e virando de costas e mostrando um 13 na sua roupa aaaaa! O velhote tentou censurar o povo e só piorou a situação pra ele, porque agora todos os artistas estão falando disso”, comentou uma fã através do Twitter.

Decisão do TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entendeu que as manifestações da Drag queen Pabllo Vittar e da cantora britânica Marina, durante os shows no Lollapalooza, na última sexta-feira (25), se enquadram como propaganda eleitoral e decidiu vetar novos atos políticos durante a programação do festival. A decisão ocorreu após o partido do presidente Bolsonaro, o PL, entrar com uma ação no tribunal contra os protestos políticos.

Continua após a publicidade

A decisão liminar do ministro Raul Araújo determinou o pagamento de uma multa de R$ 50 mil para a organização do festival, caso outros artistas se manifestem politicamente nas instalações do evento. O Lollapalooza encerra hoje (27) a sua nona edição no Brasil, com grandes nomes da música fechando o evento com chave de ouro, e coroando uma edição histórica da grande festa da música mundial.

PL erra na ação

No decorrer da tarde deste domingo (27), o jornal O Globo confirmou que houve um erro na ação apresentada ao TSE. O que teria acontecido foi que o CNPJ (registro formal de uma empresa), apresentado no documento pelo PL é de uma empresa que não existe. Foi utilizado o nome da Lollapalooza Brasil Serviços de Internet Ltda e Latda e Latin Investment Solutions Participações Ltda, que está inapta desde 2018 a 2019 segundo dados da Receita Federal. Com isso, a direção do Lollapalooza não recebeu nenhuma notificação sobre a ação.

Segundo a imprensa e especialistas sobre o assunto, o erro pode dificultar o cumprimento da decisão do ministro Raul Araujo. Mas, com a descoberta do erro, a defesa do Partido Liberal decidiu apresentar uma nova petição, só que desta vez, identificando a empresa correta, afim de cessar com novos protestos vindo dos palcos do evento que recebeu mais de 100 mil pessoas, só no último sábado (27).