Fechar
BOMBA

Após demissão, Rachel Sheherazade processa SBT por perseguição

Rachel afirma que depois de ter sido retirada da bancada e do seu posto Âncora, foi perseguida.

Neto MacielRepórter do EM OFF

A jornalista Rachel Sheherazade, ex-apresentadora do SBT Brasil, processou a emissora de Silvio Santos e está pedindo na Justiça uma indenização por danos morais por conta de perseguições, punições e constrangimentos que ela afirma ter sofrido enquanto trabalhava no SBT.

Em setembro de 2020, Rachel recebeu sua demissão um mês antes do fim de seu contrato por e-mail, depois de ter passado alguns meses fora da bancada.

De acordo com os advogados da jornalista, fora os danos morais, ela pede o reconhecimento do Vínculo Empregatício durante o período em que trabalhou no SBT, com anotação da Carteira de Trabalho e pagamento de todas as verbas trabalhistas previstas pela lei. Até então, não houve definição de valores.

Rachel, formada pela Universidade de jornalismo da Paraíba (UFPB), é conhecida por suas duras críticas. Em fevereiro de 2011, quando ainda trabalhava na TV Tambaú, criticou abertamente o carnaval na Paraíba. O vídeo foi postado no YouTube, fazendo com que a apresentadora ganhasse projeção nacional. Com isso, a apresentadora foi convidada por Silvio Santos a ir para a matriz do SBT, em São Paulo.

Continua após a publicidade

Após Luciano Havan, dono das lojas Havan, ter parabenizado Silvio Santos por demitir alguns jornalistas e também ter sugerido no Twitter que deveria demitir Rachel, a jornalista passou a ser punida de forma pejorativa. Rachel disse, na época, que devido o empresário ter bastante cota de publicidade, ele estava chantageando a emissora e pedindo sua demissão.

Os advogados da jornalista enviaram a nota abaixo à coluna de Leo Dias:

Na qualidade de advogados de Rachel Sheherazade Barbosa, diante das notícias veiculadas na imprensa sobre a Reclamação Trabalhista que a jornalista move em face do Sistema Brasileiro de Televisão, complementamos que o processo foi distribuído neste mês de março, ou seja, ainda está no início. Desta feita, temos uma longa batalha pela frente para implementar os direitos de nosso cliente. O escopo do processo é o reconhecimento de fraude e simulação praticadas pelo SBT, com nulidade da contratação civil de prestação de serviços mediante pejotização e, por consequência, reconhecimento do vínculo empregatício durante o período que trabalhou na empresa, com anotação de Carteira de Trabalho e pagamento de todas as verbas trabalhistas inerente ao vínculo como jornalista, previstas em lei. Ainda, há pedido de Indenização por Dano Morais pelos constrangimentos, perseguições e punições sofridas durante a relação de emprego, o que inclusive foi noticiado à época pela própria mídia. Com relação a valores, ainda não temos a definição do valor, uma vez que tal fato ocorre somente na fase de execução, com o trânsito em julgado”.