Fechar
Chumbo trocado

Apresentador da Jovem Pan dá invertida em Mario Frias

Secretario Especial da Cultura rebateu críticas sobre mudanças na Lei Rouanet

Paulo Henrique LimaRepórter do EM OFF

Após virar destaque no “Jornal Nacional” por exagerar em gastos do dinheiro público em uma viagem a Nova York, nos Estados Unidos, Mario Frias, secretário especial da Cultura, esteve no “Morning Show”, da Jovem Pan, nesta sexta-feira (18), e rebateu as críticas sobre a Lei Rouanet limitar cachê dos artistas a apenas R$ 3 mil.

No último dia 8 de fevereiro a Secretaria Especial de Cultura do governo Bolsonaro publicou novas regras para a utilização da Lei que apoia e autoriza produtores culturais a buscar investimento em empresas. A redução do limite de cachê a ser pago a artistas em apresentação solo e o valor-limite que as empresas podem captar foram os principais pontos destacados na Instrução Normativa publicada no Diário Oficial.

“Preciso da sua ajuda, repita comigo: ‘R$ 3 mil por apresentação’. Uma peça de teatro fazer 16 espetáculos por mês, quanto dá isso?”, questionou Mario Frias ao apresentador Paulo Mathias, da Jovem Pan News. O secretario apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) recomendou que o entrevistador usasse a calculadora do celular para fazer as contas e descobrir o valor final do cachê de uma artista autorizado a se apresentar 16 vezes por mês.

“R$ 48 mil”, respondeu o comunicador. “Você acha que tá pouco um artista ganhar esse valor?”, devolveu Mário Frias. Diante do climão instaurado nos estúdios do “Morning Show”, Mathias rebateu o secretario sobre a polêmica viagem a Nova York para encontrar com o lutador  jiu-jitsu Renzo Gracie e citou o dinheiro público gasto revelado pelo Portal da Transparência do Governo Federal.

Continua após a publicidade

“Secretário, vamos lá, repita comigo: ‘R$ 39 mil pra fazer uma viagem a Nova York somente para esse compromisso que o senhor falou é muito dinheiro, certo?”, ironizou o apresentador. Sem graça com a resposta inesperada, o secretario de Cultura tentou se desviar do questionamento e limitou sua resposta sobre a polêmica que foi destaque nos principais telejornais da TV brasileira.

“É muito dinheiro, mas aí você tá falando de outro assunto já”, explicou. Sem papas na língua, Paulo Matihias insistiu no tema e citou que o valor gasto pelo funcionário público daria para pagar u artista que solicitasse a Lei Rouanet. “Sim, só que estamos falando de dinheiro público e é pra pagar a Lei Rouanet ou sua viagem”.

Na quinta-feira (17) Antonia Fontenlle participou do mesmo programa e atacou Mario Frias. A apresentadora revelou que o Secretário Especial de Cultura incomodava o seu marido Marcos Paulo (1951-2012) em busca de papéis em novelas da Globo. Em um dos episódios, o amigo de Jair Bolsonaro teria sido convidado a se retirar da sua casa pelo então poderoso diretor global.

“Quem era Mario Frias? Vivia batendo na minha porta, ele falou do meu marido que está morto, mas eu lembro de uma cena, pelos meus filhos, meu marido falou assim ‘tive que pedir pro Mário se retirar da minha sala’. Eu não vou dizer o motivo porque envolveria uma pessoa que é discreta e que me implorou pra não colocá-la nessa briga. Mas ele falou ‘cara chato, vive na minha porta procurando emprego. Eu não dou porque ele é péssimo'”, contou.