Margarida Bonetti

Caso de ‘casa abandonada’ mobiliza emissoras de TV e até Luísa Mell

Luísa Mell tentou resgatar cachorros que estavam na casa abandonada

Paulo Henrique Lima
Repórter

A Polícia Civil de São Paulo cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa abandonada ocupada por Margarida Bonetti em São Paulo, na tarde desta quarta-feira (20). Tema de um podcast da Folha de S. Paulo produzido por Chico Felitti, a mulher passou a morar em um imóvel localizado no bairro nobre de Higienópolis, após deixar os Estados Unidos fugida do FBI. Na TV, o assunto mobilizou emissoras e ativistas da causa animal, como Luísa Mell.

A Band enviou uma equipe para cobrir a invasão dos agentes ao vivo para o “Brasil Urgente”. Durante mais de uma hora, José Luiz Datena narrou toda movimentação mostrada no telão do estúdio e entrevistou a delegada Vanessa Guimarães, uma das responsáveis por conversar com Bonetti. De acordo com a profissional, uma equipe médica e familiares da mulher estão a caminho do local.

“Nós estamos com uma equipe conversando com ela, estamos aguardando a presença de um médico e de familiares dela também. Ela parece muito inteligente e articulada, mas ela diz coisas desconexas. A casa não tem condições de ela permanecer sozinha por questões de higiene e saúde. Vamos aguardar uma avaliação médica para ver se ele entende que ela pode permanecer sozinha”, afirmou.

Luísa Mell esteve no local e resgatou um cachorro da casa abandonada. Margarida presenciou o momento em que a famosa pegou o animal no colo e a repreendeu na frente de equipes de emissoras de TV e jornais. Em um dos momentos, Bonetti teria gritado com a ativista da causa animal. Além disso, agredido um dos agentes que acompanhavam a empresária no momento do resgate.

“Quando a gente entrou, ela arrancou o cachorro da minha mão e colocou dentro da malha e começou a sufocar. Os policiais tiveram que intervir, ela veio correndo, bateu nele (apontando para um membro da equipe), aí eu peguei o cachorro e saiu correndo. Ela está muito alterada, ela bateu nos policiais, foi horrível”, relatou.