ESTREIA

Ivete Sangalo detalha negociação com a Globo para programa próprio: ‘Momento certo’

"Este é o momento em que eu quero fazer um programa de TV", disse a cantora em entrevista

Danilo Reenlsober
Repórter do EM OFF

A cantora Ivete Sangalo se prepara para voltar à televisão, dessa vez com um programa para chamar de seu. O “Pipoca da Ivete” estreia no domingo (24), nas tardes da TV Globo. É a primeira vez que a artista assume um formato próprio, já que em todas as demais ocasiões, sempre comandou programas “prontos”, como o “The Masked Singer Brasil”.

Ansiosa pela estreia, Ivete Sangalo concedeu uma entrevista ao jornal carioca Extra e detalhou seu novo momento na carreira, as negociações com a emissora para ter, finalmente, um programa com a sua cara e como faz para organizar a agenda numa rotina cheia de shows e gravações. “Sou uma pessoa do trabalho, gosto de trabalhar muito. Mas encontrei um equilíbrio”.

De acordo com a cantora, a Rede Globo sempre teve interesse em criar um programa para ela. “É uma emissora que fomenta o meu trabalho há muitos anos. Desde o primeiro dia em que pisei aqui, existe uma parceria forte. Sei da relevância do meu talento, das minhas entregas, mas sem dúvida essas parcerias são fundamentais para o sucesso”, disse.

“Pela minha frequência e estada aqui em muitos outros projetos, sempre houve uma conversa, uma luzinha piscando: ‘A gente queria muito você aqui, Ivete’. Eu também queria. Foi um consenso que o momento certo aconteceria. Felizmente, tivemos essa postura, fomos sentindo quando estaríamos prontos. Nesses anos todos dentro da Globo, eu tive a oportunidade de aprender muita coisa que hoje se faz fundamental nesse novo programa”, ressaltou.

Ivete Sangalo revelou ainda na conversa qual foi o detalhe definitivo que a levou a aceitar o convite. “Eu já venho reorganizando há bastante tempo. A luzinha acendeu quando eu tive o meu primeiro filho. Aí outras prioridades vieram à tona de uma forma avassaladora e determinante. As coisas foram se transformando à medida que o tempo ia passando e eu percebendo cada vez mais fortemente isso. Sou uma pessoa do trabalho, gosto de trabalhar muito. Mas encontrei um equilíbrio”.

“É necessário, em algum momento da vida, conseguir enxergar, abrir todas as janelas da casa. Foi o que eu fiz, e dei muita sorte. Porque esse é um planejamento que nem sempre culmina numa vitória, embora todo mundo busque. Eu tive o privilégio de chegar num estágio em que eu posso fazer as minhas escolhas e não sofrer abrindo mão de outras coisas. Tenho coerência e compreensão. Este é o momento em que eu quero fazer um programa de TV. Vou ter que abandonar outros planos? Sim. Mas sei quais são as prioridades”, explicou.

A cantora e apresentadora ainda falou quais são os apresentadores de programas de auditório que mais a inspiram. “Tia Arilma (precursora dos programas infantis na Bahia, nos anos 80) tem uma relevância muito grande na minha vida. Mara Maravilha também. Ela comandava o “Clube do Mickey”. Depois, com o passar dos anos, conheci Xuxa. Antes de a gente ser muito amiga, eu ia ao programa dela e ela fazia textos poéticos para falar da minha música e de mim. Ficamos próximas, e ela me confiou o seu programa quando foi ter Sasha. Foi uma experiência massa!”.

Ivete falou ainda da importância de Fausto Silva no processo. “Ele falava para a câmera, como se fosse um chamado: ‘Ó, atenção aqui, que nós temos uma comunicadora’. Ele foi sensacional comigo. Ele tem um talento, prende a atenção da gente contando causo, fazendo brincadeira. Quando você o conhece, entende por que ele tem essa alma: ele se preocupa com os outros. Fausto é uma cartilha. Ele me chamava e dizia: ‘Pelo amor de Deus, o que você está esperando?’. Ele me encorajou muito, guardei as palavras dele pra mim”.

Para encerrar, Ivete comento da responsabilidade de ter um programa que leva a sua assinatura. “Eu acho lisonjeiro, me deixa muito confortável. Vaidade é um sentimento que está dentro da energia do ser humano. Seria absurdo eu dizer que não passeio com a vaidade. Mas tento fazer com que ela não me atrapalhe. Então, seria mentira eu dizer pra você que não me envaidece. Eu fico envaidecidíssima. Mas tudo dentro do peso e da medida que as coisas têm que ter. Isso me motiva mais, cria em mim uma relação mais íntima e cuidadosa com o programa”, disse.