MUDANÇAS

Jornalistas da Globo recebem orientação para evitar ataques bolsonaristas

Diante dos últimos casos, a emissora dos Marinho criou um protocolo de segurança visando a integridade física e mental de seus repórteres

Bruno Pinto
Repórter do EM OFF

Com a aproximação das eleições, a alta cúpula da Rede Globo já definiu uma série de protocolos com objetivo de preservar a integridade física e mental de seus jornalistas, principalmente daqueles que estão na ruas, em meio a uma das maiores disputas políticas da história do Brasil. Cientes do histórico de valência contra os profissionais da imprensa, os executivos da emissora dos Marinho não pensaram duas vezes antes alterar o método de cobertura.

Tendo em vista os ataques sofridos constantemente durante gravações de reportagens e entradas ao vivo, praticados em sua ampla maioria por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, a direção do canal carioca decidiu prezar pela segurança e informou que, pela primeira vez, não irá destinar repórteres para acompanhar o dia a dia candidatos durante o período de campanha.

Caso seja necessário o envio de algum jornalista para uma cobertura específica, especialmente de candidatos aliados a Bolsonaro, este profissional deverá seguir um protocolo criado por Ali Kamel, diretor de jornalismo da Rede Globo. De acordo com o portal Notícias da TV, o repórter deverá fazer de tudo para não ser identificado como jornalista da emissora carioca, ou seja, à paisana.

Vale ressaltar que algumas afiliadas da emissora dos Marinho já estão fazendo isso há algum tempo. Com isso, na maioria das vezes, a Rede Globo irá mostrar apenas imagens dos principais candidatos à presidência, podendo ser até mesmo de internet. Os repórteres só irão “passar o texto” em outro momento, de preferência em outro local, distante das comitivas.