SOLTOU O VERBO

Manoel Soares se revolta com caso de Bruno Krupp e manda recado

Durante o programa "Encontro" desta quinta-feira (04), o apresentador falou ainda sobre seletividade ao contestar uma lei de trânsito

Bruno Pinto
Repórter do EM OFF

Um assunto que continua ganhando grande repercussão na mídia é o caso envolvendo o modelo Bruno Krupp, que atropelou e matou João Gabriel, um jovem de 16 anos, no Rio de Janeiro. Em meio ao clima de comoção, Manoel Soares mandou um recado para a família da vítima e se mostrou revoltado com algumas leis brasileiras que, segundo ele, muitas vezes são seletivas.

“Toda essa tristeza dos familiares não é pra menos e eles não estão sequer dando entrevistas. Dona Mariana e Dona Débora, nós desejamos todo o carinho do mundo para vocês, pois a gente imagina a dor que vocês estão sentindo. Gostaria de dizer que o nosso peito está apertado junto com o de vocês e respeitamos esse momento de dor”, iniciou o apresentador no “Encontro” desta quinta-feira (04).

Logo na sequência, Patrícia Poeta também se dirigiu a família do jovem morto, em especial a mãe, e desejou que todos tenham forças para passar pelo momento delicado. A jornalista, assim como seu parceiro de programa, fez questão de ressaltar o sentimento de revolta: “Nós deixamos aqui toda a nossa solidariedade e os desejos de muita força para toda a família do Gabriel. É uma história revoltante”.

Após uma repórter explicar detalhadamente uma lei de trânsito, que acabou deixando Bruno Krupp com o status de “legal” depois de ter sido parado em uma blitz policial e não apresentar carteira de habilitação, além da motocicleta não possuir placa, dias ates da tragédia, Manoel Soares não pensou duas vezes antes de contestar a resolução em questão:

“É o que a gente sempre fala aqui. A lei nem sempre tá certa, porque a gente vive num contexto delicado em que um cidadão, nesse tipo de situação, consegue ficar livre, enquanto uma outra pessoa que pega um detergente passa anos na cadeia… Existe sim uma distorção e quase uma seletividade da lei na hora de se fazer, se tornando algo extremamente preocupante”, concluiu o apresentador.