Fechar
crise

‘Quanto Mais Vida, Melhor’ fracassa na audiência e amarga recorde negativo

Média no ibope do folhetim é o pior dos últimos oito anos

Danilo ReenlsoberRepórter do EM OFF

A situação das novelas da Rede Globo não é das melhores. Diversas produções da emissora têm registrado índices baixos na audiência, apesar de receberem elogios nas redes sociais. É o caso da novela “Quanto Mais Vida, Melhor”, que estreou no dia 22 de novembro no horário das 19h. O folhetim tem ido mal no ibope e registrou recorde negativo na audiência.

De acordo com a colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, a novela criada por Mauro Wilson e protagonizada por Giovanna Antonelli, Vladimir Brichta, Mateus Solano e Valentina Herszage, tem obtido média de 20,3 pontos no ibope na Grande São Paulo, principal praça para aferição da audiência. Esse é o pior resultado de uma novela das 19h desde “Além do Horizonte” (2013), que teve 19,5.

A novela já tinha mostrado que poderia enfrentar problemas na audiência logo na estreia. No seu primeiro capítulo, “Quanto Mais Vida, Melhor” amargou a pior estreia de uma novela das sete da história da Globo, de acordo com o portal Metrópoles. O folhetim registrou 21,6 pontos em São Paulo com 35% de participação, bem abaixo dos recordes negativos de Verão 90 (2019) e da reprise de Pega Pega (2017). Ambas marcaram 23,6 pontos.

A novela das 19h não é a única dor de cabeça para a Globo. A trama das 21h, “Um Lugar ao Sol”, protagonizada por Cauã Reymond, Alinne Moraes e Andreia Horta também vai mal na audiência, apesar de arrancar elogios dos críticos e dos telespectadores nas redes sociais. A novela raramente ultrapassa os 24 pontos no ibope. A antecessora, “Império”, chegava aos 30 pontos, mesmo sendo uma reprise.

Continua após a publicidade

Crise

A emissora carioca não tem enfrentado problemas apenas em suas novelas. O Jornal Nacional, apresentado por William Bonner e Renata Vasconcellos, segue sendo o principal telejornal da televisão brasileira e uma das atrações mais assistidas da Rede Globo. No entanto, o jornalístico tem vivido uma crise e visto sua abrangência, importância e, consecutivamente, sua audiência diminuir de forma irreversível.

De acordo com o colunista Ricardo Feltrin, do portal UOL, o Jornal Nacional deve encerrar o ano de 2021 com sua pior média de audiência desde o início desse século. De acordo com o jornalista, o principal telejornal da emissora deve terminar o ano na casa dos 24,4 pontos de média no PNT (Painel Nacional de Televisão) e 37,7% de share, ou seja, a porcentagem de televisores ligados na atração.

Os dados do telejornal comandado por William Bonner são ainda piores se comparados aos anos anteriores. Em 2004, por exemplo, o Jornal Nacional marcou média de 41,4 pontos na audiência, com 63,3% de share – a cada 10 televisores, seis estavam sintonizados no jornalístico. Essa foi sua melhor marca desde a virada do século. Assim, em 20 anos, a atração perdeu 41% dos televisores ligados em todo o território nacional.

Se em 2004 o Jornal Nacional viveu seu melhor momento na audiência, a Globo começou a se preocupar a partir de 2013. Nesse ano, a atração jornalística fechou a média anual abaixo dos 30 pontos pela primeira vez (28,4 pontos e 48,7% de share). 2015 foi o segundo pior ano para o JN, atrás apenas de 2021: 24,7 de média e 39,7% de share. Apesar da queda vertiginosa na audiência nos últimos anos, o Jornal Nacional ainda assegura a liderança no horário para a Rede Globo.

Jornalista na novela

Na tarde desta quarta-feira (15), durante o programa “Globo Esporte RJ”, o apresentador Alex Escobar, que também comanda o bloco esportivo do “Fantástico”, além dos simpáticos “Cavalinhos” na revista eletrônica dominical, surpreendeu os telespectadores da atração diária ao anunciar que vai atacar de ator e fará uma participação na novela das 19h, “Quanto Mais Vida, Melhor”.

As cenas com o jornalista já foram gravadas e a estreia dele como ator acontecerá em breve. De acordo com Escobar, a novidade em sua carreira chegou como uma grande surpresa, pois não esperava fazer algo parecido: “Pra quem não sabe, eu já fui comissário de bordo, locutor de rádio, comentarista, narrador, sou apresentador e agora, por essa eu não esperava, e virei ator de mim mesmo“.

O apresentador fará sua estreia na teledramaturgia interpretando ele mesmo, ou seja, Escobar será o mesmo jornalista assistido por milhares de pessoas diariamente pela televisão e fará exatamente tudo o que sempre fez em sua carreira. Na cena, gravada no Estádio Giulite Coutinho, no Rio de Janeiro, ele irá bater um papo descontraído como jogador Neném, interpretado pelo ator Vladimir Brichta no folhetim das sete.

Protagonistas de “Quanto Mais Vida, Melhor” (Reprodução)