Fechar
Fora do ar

RedeTV! escancara amadorismo com reprise de Sikêra Júnior

Em crise de audiência, programa passou a ser gravado

Paulo Henrique LimaRepórter do EM OFF

A RedeTV! enfrentou uma confusão interna com a produção do “Alerta Nacional” nesta sexta-feira (18). O policialesco comandado por Sikêra Júnior apresentou uma edição reprisada do programa, com notícias atrasadas. O jornalístico não exibiu sua costumeira edição inédita e o canal optou por reapresentar o programa que foi exibido no dia anterior.

O EM OFF apurou que a TV A Crítica, emissora com sede em Manaus (AM), apresentou problemas técnicos durante durante o dia, o que impossibilitou a exibição de programas. Não existe uma previsão para que o problema seja solucionado. O canal está fora do ar e alguns funcionários já tiveram o final de semana antecipado por conta da gravidade da situação que se instaurou no canal.

“Estamos com problemas técnicos na nossa transmissão, mas já estamos trabalhando para solucionar o mais rápido possível. Quando tudo for reestabelecido, vamos avisar“, informou a emissora em nota enviada à reportagem.

A TV A Crítica está fora do ar há pelo menos 7 horas. O “Alerta Nacional”, programa retransmitido pela RedeTV! para todo o Brasil, é produzido na sede da emissora, antiga afiliada à Record TV. A falha impossibilitou que o canal levasse ao ar uma edição gravada do noticiário, o que levou a alta cúpula a refrescar a edição do dia anterior. No Ibope a atração não passou se aproximou de 1 ponto.

Continua após a publicidade

O programa apresentado por Sikêra Jr. tem perdido público desde junho de 2021, quando o comunicador disparou comentários homofóbicos após a veiculação de um comercial de uma marca de fast food em que crianças aparecem falando sobre o quão normal ´é uma família com duas mães ou pais.

O apresentador contratado a preço de outro havia renovado contrato com o canal por mais sete anos um dia antes de se envolver na polêmica que revoltou o país. Em suas críticas ele chamou gays de “raça desgraçada”. Ativistas da comunidade LGBTQIA+ processaram o comunicador e criaram campanhas para conscientizar empresas a não anunciarem no “Alerta Nacional”.